Emprego KPMG vai contratar 200 recém-licenciados em Portugal

KPMG vai contratar 200 recém-licenciados em Portugal

A adesão ao processo de recrutamento tem sido "grande". Os seleccionados iniciarão funções em Setembro.
KPMG vai contratar 200 recém-licenciados em Portugal
Bloomberg
Negócios 29 de maio de 2017 às 16:18

A consultora KPMG Portugal abriu um processo de recrutamento para finalistas das áreas de Gestão, Economia, Matemática, Contabilidade, Direito e Tecnologia, entre outras áreas.

 

De acordo com um comunicado, a firma pretende "contratar até Setembro cerca de 200 recém-licenciados e mestrados para reforçar as suas equipas de Auditoria, Fiscalidade e Consultoria".

 

A KPMG Portugal "tem mantido uma trajectória de crescimento e a contratação de recém-graduados com elevado potencial é uma das consequências desse desenvolvimento", refere José Portugal, Partner da consultora, adiantando que "investimos cada vez mais nas nossas pessoas e temos uma excelente proposta de valor para quem chega ao mercado de trabalho, assente na construção de uma carreira desafiante, à medida de cada um, com um ritmo de progressão elevado e a possibilidade de experimentar múltiplas realidades".

 

De acordo com a mesma fonte, os seleccionados iniciarão funções em Setembro, onde terão acesso a um período de formação inicial, antes de incorporarem as equipas de trabalho dos escritórios da região de Lisboa e Porto.

 

Para promover esta iniciativa, a KPMG Portugal lançou uma campanha de comunicação que assenta no conceito "What’s your thing?"

 

Segundo José Portugal, tem sido "grande" a adesão ao processo de recrutamento que já está em curso. "Estamos muito satisfeitos com a quantidade e qualidade das candidaturas. As nossas universidades formam jovens qualificados e o volume e perfil de candidaturas que estamos a receber fazem-nos crer que teremos, mais uma vez, um grupo de excelência", refere o gestor. 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


ESTADO NÃO DEVE PAGAR O REGABOFE DOS LADRÕES FP / CGA

OS DESCONTOS DOS BENEFICIÁRIOS CGA, NÃO CHEGAM PARA PAGAR… NEM METADE DA PENSÃO QUE RECEBEM

Não é verdade que as pensões em abono correspondam ao valor dos descontos dos beneficiários.

As pensões auferidas são muito superiores às que os pensionistas teriam direito caso apenas se utilizassem os respetivos descontos capitalizados para as pagar.

Com pressupostos muito otimistas, não seria sequer possível pagar 50% das pensões que a CGA atualmente paga, caso apenas se contassem os descontos legais feitos a favor do pensionista ao longo da sua carreira.

comentários mais recentes
kankan Há 4 semanas

Até que enfim alguém começa a recrutar gente com a habilitaçao minima obrigatória actual-licenciatura/mestranço.

Anónimo Há 4 semanas


ESTADO NÃO DEVE PAGAR O REGABOFE DOS LADRÕES FP / CGA

OS DESCONTOS DOS BENEFICIÁRIOS CGA, NÃO CHEGAM PARA PAGAR… NEM METADE DA PENSÃO QUE RECEBEM

Não é verdade que as pensões em abono correspondam ao valor dos descontos dos beneficiários.

As pensões auferidas são muito superiores às que os pensionistas teriam direito caso apenas se utilizassem os respetivos descontos capitalizados para as pagar.

Com pressupostos muito otimistas, não seria sequer possível pagar 50% das pensões que a CGA atualmente paga, caso apenas se contassem os descontos legais feitos a favor do pensionista ao longo da sua carreira.

pub
pub
pub
pub