Américas Kremlin concorda com Trump: interacção e cooperação estão em risco

Kremlin concorda com Trump: interacção e cooperação estão em risco

O afastamento entre os dois países é uma realidade preocupante, considera a administração russa, que diz partilhar os receios manifestados ontem por Donald Trump.
Kremlin concorda com Trump: interacção e cooperação estão em risco
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 04 de agosto de 2017 às 13:08
A presidência russa concorda com o diagnóstico feito esta quinta-feira por Donald Trump, de que as relações entre os Estados Unidos e a Rússia estão num nível "histórica e perigosamente baixo", e que o maior perigo é que o afastamento entre as duas potências reduza a capacidade de cooperação.

"Partilhamos inteiramente essa opinião. (...) O perigo pode residir num défice de interacção e cooperação nas matérias que são vitais para os nossos dois países e povos," afirmou esta sexta-feira, 4 de Agosto, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em conferência de imprensa.

Ontem o presidente norte-americano responsabilizou o Congresso pelo endurecimento das sanções económicas à Rússia, num diploma que Trump tinha assinado um dia antes, deixando na altura reparos sobre a inconstitucionalidade de algumas das normas prevista.

"A nossa relação com a Rússia está num nível histórico e perigosamente baixo. Podem agradecer ao Congresso, aos mesmos que nem nos conseguem dar cuidados de saúde," escreveu no Twitter, numa referência ao impasse para derrubar e substituir a reforma do sistema de saúde denominada Obamacare.

Também esta quarta-feira o chefe da diplomacia russa se referiu ao reforço de sanções – que neste caso se aplicam em particular ao sector energético - como "perigoso": "É uma linha política de vistas curtas e até mesmo perigosa que se arrisca a minar a estabilidade [em todo o mundo]", afirmou Sergueï Lavrov, num comunicado citado pela agência France Presse e pela Lusa.

No domingo, e em resposta à decisão dos EUA terem aprovado a extensão das sanções, o presidente Vladimir Putin já tinha confirmado a ordem de retirada de 755 diplomatas norte-americanos de solo russo, uma medida que Moscovo defende como pretendendo igualar o número de diplomatas russos a trabalhar nos EUA.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Criador de Touros 04.08.2017

Os americanos escolheram um presidente que parece um chouriço rasca ! Os EUA estão muito decadentes.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub