Justiça Lalanda e Castro fica em prisão domiciliária

Lalanda e Castro fica em prisão domiciliária

Além de estar obrigado a permanecer na habitação, não pode contactar outros arguidos ou pessoas relevantes para a investigação.
Lalanda e Castro fica em prisão domiciliária
Negócios 12 de janeiro de 2017 às 23:55

O antigo administrador da farmacêutica Octapharma, Paulo Lalanda e Castro, vai ficar em prisão domiciliária.

A noticia está a ser avançada por vários meios, entre os quais a TVI 24. 

A Renascença refere que, além de estar obrigado a permanecer na habitação, não pode contactar outros arguidos ou pessoas relevantes para a investigação.

Lalanda e Castro estava a ser ouvido pelo juiz desde ontem, tendo-lhe sido comunicadas esta quinta-feira, 12 de Janeiro, as medidas de coacção aplicadas.


No inquérito da ‘Operação O Negativo’, dirigido pelo Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, investigam-se suspeitas de que Lalanda e Castro e Luís Cunha Ribeiro - ex-presidente do INEM -, que estava ligado a procedimentos concursais públicos na área da saúde, terão acordado entre si que este último utilizaria as suas funções e influência para beneficiar indevidamente a Octapharma.

O antigo responsável está indiciado pelos crimes de corrupção activa, recebimento indevido e branqueamento.


Lalanda e Castro chegou a ser detido na Alemanha no âmbito de um mandado de detenção europeu, mas um juiz alemão ordenou a sua libertação por ter considerado injustificado o pedido. 
A 23 de Dezembro foi noticiado que tinha chegado a Lisboa e se disponibilizava às autoridades para no âmbito da ‘Operação O Negativo’.

Nove dias antes, a
 14 de Dezembro, apresentou ao conselho de administração da Octapharma a demissão de todas as funções que desempenhava na empresa.

Lalanda e Castro é ainda arguido nos processos "Operação Marquês" e "Vistos Gold".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ABCDEF1 13.01.2017

É só gente fina. Este país está lindo...

pub