Justiça Lalanda e Castro libertado na Alemanha

Lalanda e Castro libertado na Alemanha

O juiz alemão considerou que não havia fundamento para o mandado de detenção europeu.
Lalanda e Castro libertado na Alemanha
Negócios 21 de dezembro de 2016 às 14:55

Paulo Lalanda e Castro foi esta quarta-feira libertado na Alemanha, depois do juiz alemão ter considerado que não havia fundamentos para o mandado de detenção europeu.

 

A notícia está a ser avançada pela SIC Notícias, que dá conta que esta decisão não anula o processo de extradição do presidente demissionário do conselho de Administração da Octapharma, que foi solicitada pelas autoridades portuguesas.

Segundo adiantou à agência Lusa o advogado Ricardo Sá Fernandes, o juiz alemão considerou que não se justificava o mandado de detenção de Lalanda e Castro porque este, que é arguido em outros processos em Portugal, "sempre esteve contactável, não sendo preciso a sua detenção para ser ouvido em Lisboa".

Ricardo Sá Fernandes, que visitou Lalanda e Castro na cadeia alemã na terça-feira na presença de advogados germânicos, já comunicou aos Ministério Público que o seu cliente se apresentação "onde, como e quando" o MP português entender para ser ouvido.

Apesar de ter sido libertado, o advogado desconhece ainda se o regresso de Lalanda e Castro a Portugal se fará ou não ao abrigo do processo de extradição, aguardando-se a posição do MP face à disponibilidade do arguido para ser ouvido pelas autoridades portuguesas.

"Fico satisfeito com este despacho do juiz alemão porque a detenção foi abusiva", congratulou-se Ricardo Sá Fernandes.

Lalanda e Castro foi detido na manhã de quinta-feira, 15 de Dezembro, em Heidelberg, na Alemanha, na sede da farmacêutica, em colaboração com as autoridades alemãs.

 

Em comunicado, a Polícia Judiciária explicou na altura que há suspeitas de que Lalanda e Cunha Ribeiro, ex-presidente do INEM, "terão acordado entre si que este último utilizaria as suas funções e influência para beneficiar indevidamente a empresa do primeiro". Em causa "estão factos susceptíveis de integrarem a prática de crimes de corrupção activa e passiva, recebimento indevido de vantagem e branqueamento de capitais".

 

Lalanda e Castro demitiu-se da presidência da  Octapharma quando rebentou o escândalo do negócio do plasma. Cunha Ribeiro foi detido na terça-feira, 13 de Dezembro, e juntamente com ele estarão indiciados Paulo Farinha Alves e Barros Figueiredo, advogados, e Elsa Morgado, dirigente da Associação Portuguesa de Hemofilia.

 

No âmbito da investigação levada a cabo pela Unidade de Combate à Corrupção da PJ e pelo Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa, foram já realizadas mais de 30 buscas em estabelecimentos oficiais relacionados com a saúde, incluindo o Ministério e o INEM, duas buscas em escritórios de advogados e outras em território suíço, sendo que a investigação continua no terreno.

 

Os factos remontam a 1999, quando a farmacêutica suíça Octapharma assegurou o concurso de venda de plasma inactivado (uma componente do sangue) aos hospitais do Serviço Nacional de Saúde. Cunha Ribeiro era então presidente do júri do concurso e a farmacêutica assegurou um negócio que envolvia 137 milhões de euros, segundo números adiantados pela imprensa.


(notícia em actualização)




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 21.12.2016


CORTAR JÁ, NAS PENSÕES ATUAIS DOS LADRÕES FP / CGA

Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores e pensionistas do privado.

comentários mais recentes
Anónimo 21.12.2016

MAIS UM TIRO NO PÁ DA JUSTIÇA PORTUGUESA|

Anónimo 21.12.2016

SRS JORNALISTAS, VAMOS LÁ SER HONESTOS NEM QUE SEJA SÓ INTLECTUALMENTE!

DECLARAÇÃO DE INTERESES:
NUNCA VOTEI NO SÓCRATES, NUNCA GOSTEI DO SÓCRATES, NUNCA DISSE QUE O SÓCRATES ERA INOCENTE!
~PERGUNTO APENAS QUEM FOI A FIGURA PÚBLICA PÓS SÓCRATES QUE FOI ASSISTIR Á INAUGURAÇÃO DO LABORATÓRIO DA OCTOPHARMA EM COIMBRA E QUEM É DIRECTORA DAQUELA EMPRESA?


Kaifa Quaresma 21.12.2016

Mau trabalho da acusação pura e simplesmente. Ou isso, ou algum erro processual.

Anónimo 21.12.2016

Lalanda e Castro libertado na Alemanha

E AINDA HÁ QUEM ACREDITE NA JUSTIÇA PORTUGUESA!

ver mais comentários
pub