Política Le Pen ataca globalização e alerta que imigração pode conduzir a guerra civil

Le Pen ataca globalização e alerta que imigração pode conduzir a guerra civil

A candidata da Frente Nacional acredita que a imigração em França é já incontrolável, podendo originar uma guerra civil.
Le Pen ataca globalização e alerta que imigração pode conduzir a guerra civil
Reuters
Negócios 14 de março de 2017 às 19:55

A candidata da Frente Nacional, Marine Le Pen, considera que os últimos 40 anos de imigração em França podem agora chegar a uma "guerra civil". Segundo avança o El Mundo, Le Pen quer realizar um referendo para que os franceses decidam sobre as condições de "entrada, permanência e aquisição de nacionalidade".

 

"Há mais de quarenta anos que qualquer pessoa percebe o problema, são cada vez mais as intimidações e os ataques anti-franceses. A perspectiva de guerra civil não é um fantasma", referiu a candidata de extrema-direita numa reunião pública em Paris, esta segunda-feira.

 

Marine Le Pen, que segundo as sondagens é preferida para vencer a primeira volta das eleições presidenciais francesas, afirma que a situação com os "milhões de imigrantes", que se fixam em França com línguas e costumes estrangeiros, é já "incontrolável", conta o El Mundo.   

 

"Desde os anos 2000 que parte destes migrantes e dos seus filhos entraram em guerra com França (…). Não aguentarei as propostas que sugerem que os franceses devem adaptar-se e fazerem-se de surdos, nem as acrobacias de um discurso que não quer ouvir falar de fundamentalismo islâmico e da imigração clandestina", sublinha a líder da Frente Nacional, que denunciou o "gasto de dezenas de milhares de milhões de euros (…) desperdiçados contra França, na esperança cobarde de comprar a paz civil", explica a líder de extrema-direita.

 

Para a "candidata do medo" o seu discurso não aponta a imigração como culpada, mas sim a globalização, que leva a "acreditar que todos são iguais", resultando num individualismo pela "perda de interesse e curiosidade pelo outro".  A globalização é a responsável pela perda de respeito aos "povos, religiões, cultura e à civilização, a qual está destinada a evaporar-se, dando lugar a um mundo plano, reduzido aos mercados", conclui.


A líder da Frente Nacional defende que, se ganhar as eleições, o país recuperará a "lucidez política" e a aquisição de nacionalidade passaria a ser uma "ambição". Com o seu partido no Governo, Le Pen promete que poria fim ao reagrupamento familiar e a qualquer cláusula que permita obter a nacionalidade de forma automática, afirmando que o país recuperaria uma política ao serviço da cidadania, para estabelecer uma "França forte e aberta ao mundo". Marine Le Pen, confiante na vitória nestas eleições, diz que "todos os franceses devem saber que a França está com eles e que não os abandonará", citando Jean Jaurès (símbolo do socialismo francês). 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.03.2017

Uma previsao muito realista; ja houveram varias tentativas , por terroristas, e a ultima foi o mula turco, ao querer pregar discursos no centro da europa; ainda bem que que houve alguem que correu com ele; se nao tomarem medidas urgentes , nao tarda haver uma tentativa islamica a serio.

pub