Saúde Legionella: Ministério Público abriu inquérito ao surto que causou dois mortos

Legionella: Ministério Público abriu inquérito ao surto que causou dois mortos

O Ministério Público anunciou esta terça-feira que os elementos recolhidos originaram a abertura de um inquérito ao surto de 'legionella' no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, que já causou dois mortos e infectou pelo menos 35 pessoas.
Legionella: Ministério Público abriu inquérito ao surto que causou dois mortos
Lusa 07 de novembro de 2017 às 20:03

"Os elementos recolhidos deram origem a um inquérito, que se encontra em investigação no DIAP [Departamento de Investigação e Acção Penal] de Lisboa", refere o Ministério Público em resposta enviada à agência Lusa.

 

Na segunda-feira, o Ministério Público tinha informado que estava a recolher elementos e que não deixaria de investigar "qualquer indício de crime de que tenha conhecimento".

 

As autoridades de saúde indicaram hoje que o surto de 'legionella' no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, entrou numa fase descendente, havendo indícios de que as medidas correctivas já estão a surtir efeito.

 

Em conferência de imprensa, a directora-geral da Saúde, Graça Freitas, estimou que o surto, que já provocou duas vítimas mortais, esteja a entrar numa fase com menos casos por dia, adiantando que hoje apenas foi confirmado um novo caso e que outro está em investigação.

 

Até ao momento, há 35 pessoas infectadas, cinco delas internadas em unidades de cuidados intensivos.

 

Graça Freitas indicou também que os resultados preliminares de análises colhidas após as medidas correctivas aplicadas no sistema de refrigeração indiciam um efeito positivo dessas medidas.

 

Também o ministro da Saúde destacou os "bons sinais" de que o surto "terá entrado numa curva descendente". Adalberto Campos Fernandes considerou que os portugueses "têm condições para confiar no Serviço Nacional de Saúde, que respondeu com grande firmeza e competência".

 

O Presidente da República disse hoje ter sido informado pelo ministro da Saúde de que, segundo as últimas análises, "neste momento, não há traços ou sinais da existência de 'legionella'" no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa.

 

Questionado se pensa que foi feito tudo o que era preciso, face à contaminação registada naquele hospital público, e se os portugueses podem estar descansados, o chefe de Estado respondeu: "Daquilo que eu sei, e soube há pouco pelo senhor ministro da Saúde, as últimas análises que foram feitas dão negativas".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
CERTÍSSIMO Há 1 semana

Apure-se a verdade,dê por onde der !O povo já começa a estranhar tantas mortes ! Já começa a comparar este surto com os incendios.E os causadores vão sempre na mesma direção.E como o povo é voz de Deus...Quando fala tem sempre razão. Embora por vezes a justiça contrarie a voz do povo, por razões...!

Anónimo Há 1 semana

É resultado de Portugal ter atingido o nível mais baixo de investimento público em percentagem do PIB desde 1960, numa altura em que tão grandes transformações nas sociedades, assentes no capital com elevada incorporação de tecnologia que poupa grandemente em factor trabalho elevando a produtividade, a competitividade, a eficiência e a economia de produtos, tarefas e processos, se está a dar em toda a parte. A assinatura de mais este triste descalabro que resulta da protecção cega e desmedida ao flagelo do excedentarismo sindicalizado de carreira, nos bancos, na administração pública e no capitalismo subsidiado e protegido de compadrio, claro está, é a do PS e da sua geringonça das esquerdas unidas.

VERGONHOSO !!! Há 1 semana

Como é possível deixarem os corpos das vítimas mortais serem entregues às famílias para efectuar o velório e funeral, e depois mandarem a PSP interromper o velório e retirarem os corpos às famílias e enviá-los para a medicina legal para autópsia? Que palhaçada é esta??? Tenham vergonha na cara!!!

pub