Autarquias Lei das Finanças Locais será aplicada de forma gradual

Lei das Finanças Locais será aplicada de forma gradual

O Conselho Coordenador das Finanças Publicas, onde estão representados os municípios, fixará todos os anos o ritmo de aplicação da nova lei, disse o primeiro-ministro, António Costa.
Lei das Finanças Locais será aplicada de forma gradual
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 09 de dezembro de 2017 às 15:50
O primeiro-ministro apontou hoje como meta, no XXIII Congresso da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), em Portimão, convergir para o cumprimento integral da Lei das Finanças Locais até ao final do actual mandato autárquico. "A meta que temos é poder convergir para o cumprimento integral da Lei das Finanças Locais até ao final deste mandato autárquico", afirmou António Costa, na sessão de abertura da reunião magna da ANMP.

O governante acrescentou que, para que isso aconteça, terá que se ir medindo, ano a ano, "as condições" para concretizar esse objectivo. "Aquilo que propusemos à Associação Nacional de Municípios é que o Conselho Coordenador das Finanças Publicas, onde as autarquias estão presentes, anualmente em Março possa estabelecer entre um mínimo de 20 e um máximo de 25% o ritmo da convergência para cumprimento integral da Lei das Finanças Locais", disse.

Um objectivo que António Costa quer ver cumprido, no âmbito do processo de descentralização de competências para as autarquias, mas também por motivos pessoais, relacionados com as suas anteriores funções governativas enquanto ministro da Administração Interna. "Se me permitem dizer, eu que em outra encarnação fui autor dessa lei [das Finanças Locais], nada me daria mais prazer do que finalmente vê-la executada e cumprida como ela foi prevista", assegurou o primeiro-ministro.

O XXIII Congresso da ANMP decorre hoje no Portimão Arena, para debater a descentralização, as finanças locais e os fundos comunitários, e eleger os novos órgão directivos para o mandato 2017-2021.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 10.12.2017

O Costa tem que falar ao país sobre o que se passa sobre a associação RARISSIMA que envolve um secr.estado da saúde e a esposa do ministro do Trab. Muito grave.

A sério Sôr costa? 09.12.2017

CML - 17 vereadores, 124 assessores a 3700€/cada. Estas “ finanças locais” são para aplicar em todos os locais?
Realmente o IMI o impostos extorquido a todos os munícipes, que pagam renda do que é seu às câmaras, é um verdadeiro poço de petróleo sustentando todos os desmandos, dos polítiqueiros.

pub