Justiça Lesados por Madoff recuperam mais 230 milhões

Lesados por Madoff recuperam mais 230 milhões

O valor foi obtido junto de pessoas que resgataram mais dinheiro do que tinham direito ou que contribuíram para o esquema fraudulento. Gestor da iniciativa de recuperação estima que os lesados venham a ser ressarcidos de 60% do investimento perdido.
Lesados por Madoff recuperam mais 230 milhões
Negócios com Reuters 02 de fevereiro de 2017 às 19:00
Os lesados pelo esquema financeiro de Bernard Madoff nos EUA deverão em breve conseguir recuperar mais 252 milhões de dólares (cerca de 230 milhões de euros à cotação actual) através do fundo que gere os activos do antigo gestor de investimentos.

Esta recuperação eleva para 9,72 mil milhões de dólares (9 mil milhões de euros) o valor total já obtido através da iniciativa de recuperação liderada por Irving Picard.

O valor, parte do que foi subtraído aquando da derrocada do esquema de Ponzi desenvolvido pelo norte-americano, foi obtido junto de pessoas que contribuíram para a fraude ou que tinham resgatado mais dinheiro do que aquele a que tinham direito, no âmbito de acordos estabelecidos no segundo semestre do ano passado.

A entrega de valores aos lesados começou esta quinta-feira e os pagamentos feitos aos investidores - que detinham cerca de 950 contas na empresa de Madoff - oscilam entre os 270 dólares e os 42 milhões de dólares, refere a Reuters.

O gestor dos activos de Madoff estima que, quando todo o dinheiro for devolvido, os lesados receberão cerca de 60% do que lhes era devido. Os clientes terão perdido, no total, 17,5 mil milhões de dólares à conta do esquema fraudulento pelo qual Madoff - preso em 2008 - cumpre uma pena de prisão de 150 anos.

Existe ainda um fundo, no valor de 4 mil milhões de dólares, gerido pelo departamento de Justiça norte-americano que se destina igualmente a compensar as vítimas do esquema.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
conselheiro de estado 02.02.2017

Se a memoria nao me falha,na altura q isto rebentou falava-se em qualquer coisa como 50 e muitos 000.000.000 $,agora falta saber se os investimentos neste tipo de d.branca eram cobertos pelo banco central da America.Onde me encontro ha investimentos cobertos pelo banco central,e nao cobertos por ele

pub