Economia Líder do Syriza responde a Lagarde: Os gregos "pagam os seus impostos"

Líder do Syriza responde a Lagarde: Os gregos "pagam os seus impostos"

"Sobre as recentes declarações da senhora Lagarde, a última coisa que a Grécia quer é a sua compreensão", afirmou Alexis Tsipras num comunicado.
Líder do Syriza responde a Lagarde: Os gregos "pagam os seus impostos"
Lusa 27 de Maio de 2012 às 16:56
O líder da coligação da esquerda radical grega Syriza, Alexis Tsipras, criticou hoje as declarações da directora do FMI, Christine Lagarde, afirmando que os gregos "pagam os seus impostos" e não precisam da sua compreensão.

"Sobre as recentes declarações da senhora Lagarde, a última coisa que a Grécia quer é a sua compreensão", afirmou o líder do Syriza num comunicado.

O partido, que ficou em segundo lugar nas eleições de 06 de maio, opõe-se ao programa de austeridade exigido pelos credores da Grécia, entre os quais o Fundo Monetário Internacional (FMI), e pretende renegociar os termos do memorando assinado em troca do empréstimo internacional.

"Os trabalhadores gregos pagam os seus impostos", que são muito pesados e, nalguns casos, "mesmo insuportáveis", afirmou Tsipras.

Numa entrevista publicada no sábado pelo diário britânico The Guardian, Lagarde afirmou que os gregos deviam "começar por se ajudar colectivamente" pagando os seus impostos e disse-se menos preocupada com as crianças gregas do que com as da África subsaariana.

No sábado à noite, depois da polémica causada pelas suas declarações, Christine Lagarde publicou uma mensagem na sua página do Facebook em que se diz "compreensiva com a situação dos gregos" e afirma que "parte importante" do esforço para ultrapassar a crise é "que todos partilhem equitativamente o fardo, especialmente os mais privilegiados e, especialmente, pagando os seus impostos".

Alexis Tsipras afirmou, em relação à evasão fiscal, que Christine Lagarde "devia dirigir-se ao (partido socialista) PASOK e à Nova Democracia (conservadores), para que eles expliquem porque não tocaram no grande capital e andam atrás do simples trabalhador há dois anos".

A política de austeridade seguida na Grécia foi maciçamente rejeitada pelos eleitores nas legislativas de 06 de maio passado, beneficiando sobretudo o Syriza, o segundo partido mais votado.




A sua opinião100
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Moreno 29.05.2012

Há muiiiiiiiiitos anos ouvia os mis velhois dizerem que, MULHER HONRADA NÃO TINHA OUVIDOS,numca percebe lá muito bem este dito popular, então s mulheres deveriam ser surdas? pergutava eu de mim para mim.
Hoje já com algum calo na "vida", verifico a importânia do dito popular, e que não se aplica só ás mulheres mas a todo o povo e a toda a humanidade.
Considerando o ditado correto o que se está a passar é nada mais nada menos que um erro genético provocado pela evolução da espécie humana, que quando ouvisse o que lhe não agradava, mas que era correto, deveria "tê-los no sítio", e não se armarem em Vestais (puras donzelas), assim deveriam ter pendurados das orelhas não os brincos, os pircings e outros penducicalhos mas os ditos cujos TÚBAROS, evitavam assim andar a imitar os Vikings e os Corsários porque esses tinham os secretos no sítio certo ainda.
Para concluir direi que os Gregos deveriam comportar-se como Vestais pagar os impostos com aquilo que trazem pendurado nas orelhas e enfiado nos dedos
se quiserem ser iguais a Vikings e Corsários.
Quanto ao povo se não se quizer ver Grego
é metê-los no sítio e mandar para a prisão os políticos mentirosos,vigaristas, ladrões e criminosos, porque são eles os culpados dos erros genealógicos na evoloção dos povos e dos países.
Christine Lagarde uma mulher que conseguiu escapar á evolução das espécies,se repararem tem os ditos nos sítios, mas como é mulher, ganha menos do que o Mexia,a igualdade é só no pagamento dos impostos, uma não paga o outro tenta fugir.

A. Fernandes 28.05.2012

Será que a senhora Lagarde, não queria falar de forma indireta, sobre o comercio paralelo na Grécia,que ronda os 50%?? Em Portugal deverá estar perto dos 40%.
afinal, quem rouba quem??

vigaristas 28.05.2012

engraçado e aparecerem comentarios a queixar-se das PPP , mas quem as fez foi socrates e muitos ex ministros e sub estado ainda la estao como deputados, A LATA E ESSA E OS MIDEA ASSOBIAM PARA O AR. As PPP foram para o coelho da mora engil e mais uns quantoa s amigos a troco de que ?? investiguem. AS PPP FORAM REALIZADAS AS PRESSAS MUITAS DELAS POR SOCRATES, ate existe uma que falhou com o sindicato dos bancarios para salvar o sams que tem um deficite , como sera normal e obvio, de milhoes. Era para ser feito uns dias anrytes desse vigarista do socrates sair.

PMRF 28.05.2012

Continua a ignorar-se o evidente e a protelar o inevitável. Antes tinhamos margem de manobra, agora já não. Continuamos com defice mas sem crédito. O mesmo se passa com a maior parte dos paises. Se não conseguirmos pagar estamos fritos, se tentarmos pagar fritos estamos porque é insuportavel. A solução inevitavel é irmos para o defice zero que à anos estamos a tentar, e que significa uma revolução completa e um empobrecimento do pais a curto prazo. Mas o defice zero nos paises do sul significa uma queda brutal nas exportações alemães e uma brutal recessão recessão. Os alemães pela terceira vez num século vão ser vitimas da sua sobreba dominadora, agora não serão preciso armas.
A soluçao unica é o equilibrio e cada pais ser auto-subsistente tanto quanto possivel, exactamente o que a Alemanha não quer. Tanto que o preço crescente dos combustiveis começam a tornar dificil transportes longinquos de produtos.
Estamos apenas a ser vitimas da nossa preguiça, desorganização e ganância. Capici?

ver mais comentários
pub