Empresas Líder da ANJE: “Há quem queira investir e fazer fábricas e não tem trabalhadores”

Líder da ANJE: “Há quem queira investir e fazer fábricas e não tem trabalhadores”

O presidente da associação de jovens empresários e da ASM Industries diz que Portugal está a pagar caro a emigração de jovens qualificados e não especializados. “Já estão a fazer uma tremenda falta”, alerta Adelino Costa Matos, em declarações ao Expresso.
Líder da ANJE: “Há quem queira investir e fazer fábricas e não tem trabalhadores”
Portugal e a emigração de jovens qualificados: "Já estão a fazer uma tremenda falta", diz Adelino Costa Matos, presidente da ANJE e da ASM Industries.
Negócios 09 de setembro de 2017 às 13:03

"Há regiões da zona Norte onde a taxa de desemprego é baixa e onde os empresários têm dificuldades em recrutar. Há quem queira investir e fazer fábricas, mas não tem trabalhadores para abrir portas", garantiu Adelino Costa Matos, presidente da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), este sábado, 9 de Setembro, em declarações ao Expresso.

 

"Agora lembramo-nos dos milhares de jovens portugueses qualificados e não especializados que saíram do país e que já estão a fazer uma tremenda falta", realçou.

 

Para Adelino Costa Matos, a escassez de recursos humanos qualificados "é uma questão crítica e tem de ser pensada dez anos à frente", defendendo que "é preciso revitalizar os centros de formação profissional de forma a redireccionar os jovens sem formação universitária para os sectores tradicionais, porque o estigma dos salários baixos está a acabar", afiançou.

 

Este dirigente associativo, que é também presidente da metalúrgica ASM, um conglomerado industrial de oito fábricas, sediado em Sever do Vouga, que factura 50 milhões de euros, 80% dos quais nos mercados externos, dá o exemplo de um sector que bem conhece.

 

"Hoje, na metalurgia, não há mão-de-obra barata. Não é preciso ser licenciado para ter um bom salário", sublinhou, explicando que "os soldadores, que há uns anos estavam oito horas a soldar num chão de fábrica, hoje com a indústria 4.0 são muitas vezes operadores de máquinas e têm de ter cada vez mais competências digitais".




A sua opinião38
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.09.2017

A solução é flexibilização do mercado laboral, coisa que já existe em grande medida nas economias mais desenvolvidas mas não em Portugal, e Estado de Bem-Estar Social, coisa que já existe em grande medida nas economias mais desenvolvidas mas não em Portugal porque o Estado de Bem-Estar Social português é só para uma parte da população e por isso temos uma Função Pública (e agora também um sector bancário) de Bem-Estar Social, mas não um Estado. Para a sustentabilidade dos Estados, a competitividade das economias e a equidade das sociedades do mundo desenvolvido, os custos do excedentarismo e da blindagem anti-mercado que o garante e perpétua são incomensuravelmente maiores do que aquele Estado de Bem-Estar Social universal num mercado efectivamente concorrencial e flexível.

comentários mais recentes
Anónimo 13.09.2017

Pois! E ele trabalha? Se ele precisar de trabalho, eu abro já uma fábrica de qualquer coisa para o fazer meu empregado. É assim, dou-lhe trabalho de 5 horas diárias aqui e pago-lhe os 350euros mensais que eles mesmo assim acham muito para pagar a quem lhes produz a riqueza. Deslocações, eu levo-o à Rodoviária para ele comprar o passe, subsídio de almoço, como são só 5 horas, tenho um microondas para ele aquecer o almoço que trouxer. Mas estes chulos pensam que mesmo no tempo do seu bolorento e saudoso Botas nas fábricas pagavam assim? E pensa que os sindicatos tinham à cabeça os chulos parasitas da UGT que hoje se bandeiam à frente dos mais chulos ainda, os patrões?

Limpinho 11.09.2017

Desculpas!!! A Yupidu tabém não tem trabalhadores e é a maior empresa de Portugal. Já agora há trabalhadores que querem investir em trabalho, mas não têm fábricas.

Ó BIMBO cá no SUL importamos do Bangladesh 11.09.2017

Ó BIMBO, nós cá no sul ( especialmente na agricultura) importamos escravos vindos ( não se sabe bem de onde) do Banglasdesh e outras zonas (Paquistão etc)

Bimbalhada auto limitada 11.09.2017

Mais um BIMBO que se auto limita "ao Norte" isso dos "Jovens Empresários" deve ser uma associação regional NORTENHA não é ?

ver mais comentários
pub