Economia Liga dos Bombeiros faz lista de 28 perguntas sobre incêndios de Pedrógão Grande

Liga dos Bombeiros faz lista de 28 perguntas sobre incêndios de Pedrógão Grande

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) elaborou uma lista de 28 perguntas sobre os incêndios de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, para as quais exige respostas urgentes e objectivas por parte das várias entidades responsáveis.
Liga dos Bombeiros faz lista de 28 perguntas sobre incêndios de Pedrógão Grande
Cofina Media
Lusa 02 de agosto de 2017 às 20:46

A LBP anunciou, em comunicado, que enviou o conjunto de perguntas ao Presidente da República, ao Governo, grupos parlamentares, Comissão Independente criada para apurar os factos relativos ao incêndio de Pedrógão Grande e à Universidade de Coimbra.

 

"'Ajudem-nos a entender porquê' é o título desse conjunto de questões, 28 no total, que a LBP considera fundamental formular para que se possam retirar conclusões rigorosas sobre o ocorrido em Pedrógão Grande", lê-se no comunicado.

 

Para as 28 perguntas, que vão desde o funcionamento do Posto de Comando, aos meios de socorro, Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS), resposta da Protecção Civil, evacuações ou meios aéreos, a LBP exige respostas urgentes, claras, concretas e objectivas.

 

A LBP quer saber, entre outras questões, se foi instalado algum gabinete de crise, por que razão e quem era o seu responsável, como e quem fez a recepção às individualidades presentes ou por quem foi instalado o posto de comando, além de querer saber quem assumiu o posto de comando, quem fez a avaliação inicial do incêndio ou qual a estratégia inicial.

 

Sobre os meios de socorro, pergunta por quem foram accionados, se foram activados meios aéreos de coordenação, querendo saber igualmente informações sobre o CDOS, desde a hora de chegada ao posto de comando do primeiro elemento da estrutura operacional até ao ponto da situação do incêndio no momento da passagem de testemunho.

 

Questiona se o presidente da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) esteve presente e a que horas chegou ao teatro de operações, se foi a ANPC ou o CDOS a assumir o comando ou porque "demorou tanto tempo a definição de sectores".

 

Pergunta sobre as evacuações, os planos municipais de emergência, se existem naqueles municípios Planos Operacionais Municipais e respectivos Gabinetes Técnicos Florestais.

 

Por outro lado, quer saber a que horas chegaram as forças de segurança, quais é que estiveram no teatro de operações entre os dias 17 e 18 de Junho e com quantos operacionais, fazendo perguntas semelhantes relativamente às Forças Armadas.

 

Relativamente ao SIRESP, a Liga dos Bombeiros quer saber em que altura surgiram os problemas.

 

As perguntas dizem também respeito ao INEM, Polícia Judiciária, avisos do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), postos de vigia, bermas da estrada e distâncias de contenção, bem como à alegada queda do avião Canadair.

 

Quer também saber por que razão foram alteradas as zonas envolventes aos postos de comando, pergunta pelo acidente com a viatura de bombeiros, quando começou a desmobilização de meios, além de várias perguntas sobre as vítimas mortais resultantes dos incêndios.

 

Por último, a LBP, questiona se destas perguntas se pode concluir que houve a falência do sistema da protecção civil, ausência de coordenação, incompetência do comando, falta de organização da floresta, falta de políticas concretas para o sector florestal e agrícola, irresponsabilidade colectiva ou falência do Estado.




pub