Transportes Ligações ferroviárias a Espanha estarão em obra em 2017

Ligações ferroviárias a Espanha estarão em obra em 2017

Além dos investimentos previstos no plano "Ferrovia 2020", o Governo quer iniciar no próximo ano os estudos necessários à definição de um Plano Nacional de Mobilidade com o horizonte temporal de 2030.
Ligações ferroviárias a Espanha estarão em obra em 2017
Miguel Baltazar
Maria João Babo 14 de Outubro de 2016 às 22:04

O Governo prevê que, no âmbito do plano "Ferrovia 2020", no próximo ano se iniciem obras nos corredores internacionais Norte (de Aveiro a Vilar Formoso) e Sul (entre os portos de Lisboa, Setúbal e Sines e a fronteira do Caia).

"Em 2017 prevê-se, especificamente no corredor internacional norte, o início das obras no troço Covilhã-Guarda; no corredor internacional sul, o início das obras no troço transfronteiriço; a continuação dos trabalhos na Linha do Norte, incluindo o arranque de obra em Ovar – Gaia, e ainda o arranque dos trabalhos de electrificação na Linha do Minho", refere o relatório que acompanha a proposta de Orçamento do Estado (OE) para o próximo ano, entregue esta sexta-feira no Parlamento.

O plano "Ferrovia 2020" prevê um investimento global de 2,7 mil milhões de euros, quer para a construção de novas linhas ferroviárias, numa extensão de 214 quilómetros, quer para a modernização de linhas existentes, em cerca de 900 quilómetros.

"Estes investimentos incluirão ainda o arranque da instalação do sistema europeu de gestão de tráfego ferroviário, o aumento do comprimento de cruzamento dos comboios para 750 metros e a preparação da migração para a bitola standard", recorda o Executivo.

No transporte ferroviário de passageiros, o Governo sublinha que será dada continuidade ao programa de investimento de modernização do material circulante, designadamente para a modernização dos comboios alfa.

 

Na proposta de OE refere que em 2017 "será mantida a prioridade dos investimentos na ferrovia" , com o objectivo "de promover o reforço da coesão territorial, conectividade interna e internacional do território nacional (às escalas nacional e ibérica), a competitividade e a indução do investimento privado e criação de emprego".

No entanto, também no próximo ano o Governo pretende iniciar os estudos necessários à definição de um Plano Nacional de Mobilidade de longo prazo, com o horizonte temporal de 2030.

"Importa, assim, ter um novo instrumento estratégico de planeamento em matérias de mobilidade e de infra-estruturas de transporte, que se adeque a um novo quadro de apoios europeus pós 2020, bem como às tendências tecnológicas, sociais e ambientais susceptíveis de afectar padrões de mobilidade e necessidades infraestruturais futuras", refere o Executivo.

No documento, salienta ainda pretender que este plano "reúna o consenso alargado dos partidos com assento parlamentar, dos diversos stakeholders e da sociedade em geral".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

A supressão do troço Covilhã-Guarda foi uma decisão criminosa de anteriores governos, louve-se a sua reposição, por ser estratégica, ao constituir um alternativa à linha da beira alta, a única que garante a ligação internacional de passageiros, em caso de impedimento prolongado.
De realçar também o empenhamento na ligação do porto de Sines, um dos melhores portos de águas profundas da Europa à rede europeia, imprescindível ao seu crescimento.

Anónimo Há 3 semanas

Calma que ainda não vieram os anti comboios...

pub
pub
pub
pub