LEX Linklaters assessora projecto de 3,4 mil milhões de euros em Moçambique
LEX

Linklaters assessora projecto de 3,4 mil milhões de euros em Moçambique

O investimento no Corredor de Nacala, entre Moçambique e Malawi, é apontada como um dos maiores em curso ao nível de infraestruturas nos sectores ferroviário e portuário na África Subsariana.
Linklaters assessora projecto de 3,4 mil milhões de euros em Moçambique
Mike Hutchings/Reuters
João Maltez 30 de novembro de 2017 às 13:25

A sociedade de advogados Linklaters foi responsável pela assessoria jurídica às instituições que vão assegurar o financiamento de 4 mil milhões de dólares (cerca de 3,4 mil milhões de euros) ao projecto do Corredor de Nacala, entre Moçambique e Malawi, que inclui a construção, remodelação e operação de uma linha ferroviária de 912 quilómetros, bem como a construção e operação de um terminal de carvão no porto de Nacala-à-Velha.

A equipa do escritório de Lisboa da Linklaters foi liderada por Francisco Ferraz de Carvalho, que contou com a colaboração de Edgar Santos Monteiro, Rui Camacho Palma e Marta Afonso Pereira. O grupo de trabalho envolveu ainda advogados daquela firma no Reino Unido, Portugal, Japão, África do Sul, Holanda e Dubai.

Além da Linklaters estiveram igualmente envolvidos no apoio jurídico aos diversos intervenientes neste projecto advogados da sociedade sul-africana Webber Wentzel, da firma moçambicana ABCC e do escritório do Malawi Savjani & Co.

Os trabalhos no Corredor de Nacala vão contar com financiamento do Banco Japonês para Cooperação Internacional, da seguradora de investimento nipónica NEXI, do Banco Africano de Desenvolvimento, da Corporação de Seguros de Crédito de Exportação da África do Sul, juntamente com outros bancos comerciais.

O projecto é visto como um dos maiores em curso ao nível de infraestruturas nos sectores ferroviário e portuário na África Subsariana.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub