Autarquias Lisboa devolve taxa de protecção civil a 223.467 pessoas em Fevereiro

Lisboa devolve taxa de protecção civil a 223.467 pessoas em Fevereiro

A autarquia anunciou hoje que está a finalizar os processos de contratação pública necessários para avançar com os procedimentos de devolução da taxa municipal de protecção civil, chumbada pelo Tribunal Constitucional em Dezembro.
Lisboa devolve taxa de protecção civil a 223.467 pessoas em Fevereiro
Filomena Lança 22 de janeiro de 2018 às 20:25

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou esta segunda-feira, 22 de Janeiro, que se prepara para devolver na segunda quinzena de Fevereiro as verbas da taxa municipal de protecção civil que cobrou "à quase totalidade" dos proprietários lisboetas desde 2015 e que foi declarada inconstitucional no passado dia 19 de Dezembro.

 

Em comunicado, a autarquia anunciou que já identificou um universo de 223.467 contribuintes a quem  vão ser devolvidas as verbas que pagaram ao longo do tempo. Falta ainda saber de que forma se efectivará a devolução, sendo que a câmara garante que "estão neste momento a ser finalizados os processos de contratação pública necessários para serviços postais, aplicação informática específica e sistema de informação personalizada aos munícipes".

 

A câmara explica que entre as soluções estudas "teve em conta a análises das diferentes situações envolvidas", como sejam, pessoas a viver no estrangeiro – cerca de 2.800 – ou as heranças indivisas – foram identificados 18.100 cabeças de casal. 

 

"A CML teve como preocupação neste processo encontrar a forma de devolução que garanta a maior segurança, rapidez e facilidade para os munícipes, esperando até ao final da semana apresentar os pormenores da solução adoptada", promete a autarquia.

Tal como Fernando Medina tinha já adiantado, ao todo serão devolvidos 58 milhões de euros, arrecadados entre 2015 e 2017. A taxa de protecção civil veio substituir a antiga taxa de conservação de esgotos e em média, quando entrou em vigor, esta taxa custava 86 euros a cada proprietário de imóveis na capital. Para 2018, a autarqui esperava encaixar com ela uma receita de 22 milhões de euros.

 

 

(Notícia actualizada às 20:30 com mais informação)




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Era para ser em Janeiro . . . 23.01.2018

Era para ser em janeiro, agora é para ser em Fevereiro. . . continuo á espera, e espero que não me façam deslocar ou preencher dados extra ou assinar recibos, enfim, espero que não me marterizem para receber isso. Já agora a CML tem mais de 1000 bombeiros sapadores para quê ? não chegam 500 ?

Anónimo 23.01.2018

Para sacar dinheiro é no dia, para devolver são mais de 3 meses! E aposto que não vai conseguir cumprir até ao final do mês de fevereiro.

MEDINA = Incompetente!

Fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos 23.01.2018

O PESSOAL DOS BAIRROS SOCIAIS- 90.000 EM LISBOA NÃO PAGAM TAXA -imi , MAS TÊM TELEMOVEL TOPO D E GAMA E CARRO

CAMBADA DE XULECOS E OPORTUNISTAS

Anónimo 22.01.2018

Vão na conversa do pipi e quando acordarem nem roupa têm..

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub