Economia Lisboa vai passar a ter Provedor Municipal dos Animais a tempo inteiro

Lisboa vai passar a ter Provedor Municipal dos Animais a tempo inteiro

A Câmara de Lisboa debate na quinta-feira a alteração das regras de funcionamento do cargo de Provedor Municipal dos Animais, tornando-o remunerado e a tempo inteiro, depois da demissão da voluntária que o exercia.
Lisboa vai passar a ter Provedor Municipal dos Animais a tempo inteiro
Correio da Manhã
Lusa 17 de abril de 2017 às 19:22

Segundo a proposta assinada pelo vice-presidente do executivo, Duarte Cordeiro, e pelo vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, o cargo criado em 2013 tem tido um "crescente de pedidos, queixas e reclamações".

 

Por isso, verificou-se a "necessidade de uma maior disponibilidade para o exercício desta missão, que justifica uma ocupação a tempo inteiro com a consequente compensação remuneratória", apontam os autarcas no documento a que a agência Lusa teve hoje acesso.

 

A 3 de Abril passado, a provedora dos Animais de Lisboa, Inês Sousa Real, renunciou ao cargo que exerceu de forma não remunerada desde Novembro de 2014 devido à falta de meios - humanos e técnicos - disponibilizados pela Câmara Municipal.

 

De acordo com o documento com as regras de designação, organização e funcionamento do Provedor Municipal dos Animais de Lisboa, anexo à proposta, o cargo passará a ser pago, tendo "os limites de remuneração previstos para o apoio técnico ao presidente e vereadores da Câmara".

 

Acresce que serão "disponibilizados os serviços de apoio técnico e administrativo e outros que se revelem estritamente necessários, a pedido do Provedor, como a cedência de meios humanos e logísticos e de salas de reuniões ou outros espaços municipais para iniciativas por si promovidas", refere o documento.

 

Apesar de ser designado pela autarquia, o provedor actua de forma autónoma e independente. O cargo é exercido durante dois anos, podendo haver renovação.

 

O objectivo é "garantir a defesa e proteção dos animais, bem como promover, zelar e monitorizar a prossecução dos seus direitos e interesses, sempre que necessário com recurso aos serviços municipais e às empresas municipais de Lisboa", lê-se ainda.

 

Na altura da demissão, a Câmara de Lisboa garantiu: "Não iremos convidar mais nenhuma pessoa para a função de provedor porque desejamos voltar a convidar a Dra. Inês Real assim que as condições para o exercício da função a tempo inteiro estejam reunidas".

 

Na reunião privada estará também em discussão a celebração de um acordo de colaboração entre o município e a empresa Oceanário de Lisboa, S.A. para gestão do estacionamento na Rua Pedro e Inês, na freguesia do Parque das Nações.

 

Em causa está um espaço municipal que "deixou de ser gerido pela Oceanário de Lisboa, S.A., passando a ser alvo de actos de vandalismo que o danificam, encontrando-se a ser utilizado como espaço de estacionamento gratuito para veículos pesados de passageiros".

 

No âmbito do estacionamento gerido pela Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), o executivo vai debater o alargamento do horário no Bairro Azul (ruas Armando Cortez, Ramalho Ortigão e da Mesquita), onde será necessário pagar para estacionar das 09:00 às 19:00 nos dias úteis. A tarifa também se altera, para a amarela. Já a tarifa verde será aplicada a zonas da freguesia de São Vicente, como a Rua dos Sapadores e Afonso Domingues, segundo uma outra proposta em apreciação.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub