Web Summit Lisboa acredita que Web Summit vai trazer novos residentes à cidade

Lisboa acredita que Web Summit vai trazer novos residentes à cidade

Contrariar a "monocultura do turismo" e aproveitar as lacunas da oferta imobiliária lisboeta. O Web Summit trará novos residentes à capital, acredita à autarquia. Porque não para Alfama, onde predominam casas abaixo dos 60 metros quadrados, não apropriadas para famílias?
Lisboa acredita que Web Summit vai trazer novos residentes à cidade
Wilson Ledo 18 de Outubro de 2016 às 12:26
A Câmara de Lisboa acredita que o Web Summit, a conferência de empreendedorismo que terá lugar na cidade em Novembro, poderá permitir a captação de novos residentes para a cidade.

"Se o Web Summit tiver o sucesso que esperamos, que nos permita aumentar a comunidade de empreendedores estrangeiros fixados em Lisboa, eles vão ter de encontrar algum lugar para viver", afirmou Manuel Salgado.

O vereador para o Urbanismo da autarquia lisboeta falava esta terça-feira, 18 de Outubro, na segunda edição do "Observatório: O Imobiliário em Portugal", uma iniciativa do Jornal de Negócios e da Century 21. Um dos exemplos dados foi o de Alfama, onde predominam habitações com menos de 60 metros quadrados, que não estão preparadas para receber famílias.

Um cenário de conversão das casas para alugar a turistas não fica de fora para Manuel Salgado: "A grande vantagem do alojamento local é que recupera imóveis. Hoje são turistas, amanhã podem ser residentes permanentes".

O empreendedorismo – a par dos serviços de apoio às empresas, do turismo e do imobiliário – é um dos "quatro vectores essenciais" na estratégia da cidade. "Para nós, é um erro apostarmos na monocultura do turismo", lembrou o vereador.

Manuel Salgado recordou que só na freguesia de Arroios existem mais de sete mil cidadãos estrangeiros registados e que outra realidade em afirmação na capital é a dos residentes não permanentes. "Estamos num processo de transformação da cidade de Lisboa. Este processo de transformação é imparável e irreversível", posicionou.

Santa Maria Maior e Misericórdia também surgiram na conversa para provar que assistiam a um fenómeno de esvaziamento de população e, consequentemente, da reabilitação destas zonas. "Estamos a assistir ao preenchimento do vazio que havia no centro. É errado, na minha opinião, colocar tudo no mesmo saco do turismo", afirmou o vereador.

Ainda assim, Manuel Salgado revelou que nos últimos cinco anos o sector da hotelaria gerou um investimento total de 126 milhões de euros em Lisboa. Por sua vez, o impacto do Alojamento Local não ultrapassou os 27 milhões.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Então e os preços das rendas não vão aumentar? Está visto que essa era a desculpa para aumentar os impostos aos Alojamentos Locais em todo o país, que nem sequer tinha o problema exclusivo de alguns bairros de Lisboa. Belos governantes...venham as eleições!

Nuno Alves Há 3 semanas

Ahah.

Jose Moreno Há 3 semanas

Isso mesmo! É mais fácil aumentar a função publica do que atrair investimento estrangeiro....

Anónimo Há 3 semanas

Tenho dois colegas que queriam instalar-se, sim. E sim, na área das start-ups e com dois projectos fantásticos. Cidade linda! Só que quando se informaram dos impostos disseram cruzes canhoto, vade rectro!

pub
pub
pub
pub