Política "Lisboa parece que ganhou o Euromilhões e não sabe o que há-de fazer ao dinheiro"

"Lisboa parece que ganhou o Euromilhões e não sabe o que há-de fazer ao dinheiro"

O coordenador autárquico do PSD para Lisboa diz que o turismo está a ser mal gerido na capital e que é preciso evitar a expulsão de lisboetas do centro da cidade. Em entrevista ao DN, José Eduardo Martins afirma ainda que "não se percebe" qual o programa de Cristas.
"Lisboa parece que ganhou o Euromilhões e não sabe o que há-de fazer ao dinheiro"
08 de Outubro de 2016 às 12:41

O coordenador do programa eleitoral do PSD para as autárquicas em Lisboa, José Eduardo Martins, diz que a cidade "tem sido gerida de forma muito pouco transparente" e que o presidente da autarquia não sabe o que "fazer ao dinheiro".

"Como todas as taxas aumentaram brutalmente no ano passado, como se resolveu o problema do aeroporto, Lisboa parece que ganhou o Euromilhões e não sabe o que há-de fazer ao dinheiro. Há dinheiro mas não há cabeça", afirma numa entrevista ao Diário de Notícias, publicada este sábado, 8 de Outubro, onde refere ainda que o turismo está mal gerido na capital e que é preciso inverter a expulsão de lisboetas da cidade.

"Claro que não temos turistas a mais, temos é uma péssima gestão do turismo em Lisboa," acusa, defendendo que é necessário planificar a cidade para as próximas duas décadas, nomeadamente "que tipo de pessoas quer atrair, que tipo de actividade económica quer ter, como é que vai trazer mais gente para o centro da cidade," afirma.

Na entrevista, em que aponta a mobilidade, a habitação como aquelas que devem ser as prioridades na capital, volta a negar a intenção de se candidatar à autarquia e diz que se Santana Lopes quiser chegar-se à frente tem "muitas e boas possibilidades" de derrotar Medina. Já em relação à candidatura de Assunção Cristas, "não se percebe qual o seu programa."

José Eduardo Martins diz ainda que é "manifestamente exagerado" que a sua nomeação para este cargo possa ter causado incómodo a Passos Coelho, mas também refere que no seu caso, ao contrário de antigos adversários de Passos como Paulo Rangel ou Aguiar Branco não há "grande espaço" para integração em estruturas da actual liderança do partido.

Com umas autárquicas "muito importantes" para o PSD - uma vez que "há sempre nos grandes centros urbanos uma leitura nacional" -, não vê que Passos possa demitir-se em caso de derrota e diz não ver "alternativa" à actual liderança, nem mesmo em Rui Rio. "Se está no meu horizonte [ser candidato à liderança do PSD] e se acho que é necessário? Nem uma coisa nem outra", garante.



A sua opinião34
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.10.2016


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.


Jose Barradas 09.10.2016

Nestas obras eu diria que mais de metade são perfeitamrnte desnecessárias... no entanto Lisboa precisa de muitas obras que continuam e vão continuar por fazer..

Gonçalo Nuno Santos 09.10.2016

Tornasse a CML públicas as suas contas e muita coisa seria revelada. Mas podem começar por agradecer pelas centenas de milhões que o Governo anterior deu pelos terrenos do Aeroporto para que a privatização da ANA fosse desbloqueada. Afinal tanto orgulho nos números e isso deve-se à venda de patrimonio. Mas insisto na ideia principal: fossem tornadas públicas as contas da autarquia e muita coisa se conhecia

Luis Ferreira 09.10.2016

o problema não deve ser a gestão.... deve ser o haver muito dinheiro !!!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub