Europa Londres responde a Trump: "Nós nomeamos os nossos embaixadores"

Londres responde a Trump: "Nós nomeamos os nossos embaixadores"

Trump sugeriu que Nigel Farage seja o próximo embaixador do Reino Unido nos Estados Unidos. Farage demonstrou-se disponível. Londres já respondeu: "Temos um excelente embaixador nos EUA".
Londres responde a Trump: "Nós nomeamos os nossos embaixadores"
Reuters
Sara Antunes 22 de Novembro de 2016 às 12:54

"Muitas pessoas gostariam de ver Nigel Farage a representar o Reino Unido como embaixador nos EUA. Ele faria um óptimo trabalho!" Foi assim que Donald Trump relançou o debate sobre o papel do ex-líder do partido independentista britânico Ukip na ligação entre os EUA e o Reino Unido, através do Twitter.

 

Londres já reagiu: "Temos um excelente embaixador nos Estados Unidos e ele vai continuar o seu trabalho", afirmou um porta-voz da primeira-ministra, Theresa May, citado pela Reuters. O responsável salientou que o embaixador que está nos EUA assumiu funções ainda este ano e que, regra geral, o cargo é desempenhado por, pelo menos, quatro anos.

 

"Nós nomeamos os nossos embaixadores", acrescentou. O mesmo responsável considerou ainda que o Reino Unido tem uma relação "incrivelmente forte e duradoura".

 

Este cenário tinha sido já abordado, com o Executivo de Theresa May a dizer que "não há vagas" como embaixador nos EUA. Downing Street disse até que actualmente o Reino Unido tem um excelente embaixador naquele país, rejeitando assim a possibilidade de Farage assumir esse cargo.

 

Estas declarações surgiram depois da tomada de posição de Donald Trump, que se imiscuiu assim em assuntos britânicos, não sem o "apoio" do próprio Nigel Farage.

 

Farage, que já dito estar disponível para ajudar a ligação entre os dois países, esta terça-feira, 22 de Novembro, voltou a demonstrar interesse em participar no estreitar desta relação.

 

"O mundo mudou. É altura de Downing Street o fazer também". Esta é a resposta de Farage, através do Twitter, onde partilhou um texto escrito por si, intitulado "Estou preparado para ajudar o Reino Unido a trabalhar com o presidente Trump". Nesse artigo, o eurocéptico, diz que "quando os historiadores olharem para trás para 2016, vai destacar-se como o ano que mudou tudo."

 

Recorde-se que foi também este ano que os britânicos votaram o referendo sobre a permanência na União Europeia, tendo decidido por maioria a saída da região. O Brexit foi, aliás, uma das bandeiras do independentista Farage.

 

Farage adianta ainda no Twitter: "Conheço muitas pessoas da equipa de Trump há anos e estou numa boa posição" em relação ao presidente eleito, que permitirá ajudar a ligação entre os dois países.

 

Nigel Farage já esteve reunido com Donald Trump. Menos de uma semana depois das eleições que deram a vitória a Trump, Farage esteve em Nova Iorque, onde se encontrou com o presidente eleito dos EUA.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

OS BIFES ESTÃO DE RASTOS

JÁ RESPONDEM A TRUMP PELA COMUNICAÇÃO SOCIAL

NÃO AUGURA NADA DE BOM

Montrond Há 2 semanas

"Londres responde a Trump: "Nós nomeamos os nossos embaixadores"... Aprovado, Primeira-ministra Theresa May! Já reparou que "Trump" quase rima com "tromba"? Pois é isso mesmo: sempre que ele tentar meter a pata em ceara alheia, é dar-lhe nas trombas. Não faltava mais nada essa abécula maldita pretender "nomear" embaixadores em nome países soberanos!

OS BRITÂNICOS NO SEU MELHOR Há 2 semanas

Queira Deus q a costumeira arrogância britânica - como agora se viu com o BREXIT - não lhes rebente nas mãos ...
Que se virem agora para o seu aliado "mais que tudo" dos EUA e troquem carinhos com o Trump.
Não podem é querer e muito menos exigir o melhor de dois mundos e para os outros a mer-da.

5640533 Há 2 semanas

Trump já começou a esticar-se demais.

ver mais comentários
pub