África Luaty Beirão: Os angolanos foram treinados "para não pensar ou agir"

Luaty Beirão: Os angolanos foram treinados "para não pensar ou agir"

"Não me vejo como um mártir, vejo-me como uma vítima da repressão. A forma como nós somos tratados por exigir direitos fundamentais é que nos está a dar essa imagem", diz o activista.
Luaty Beirão: Os angolanos foram treinados "para não pensar ou agir"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 30 de Novembro de 2016 às 07:58
O activista luso-angolano Luaty Beirão considera que os cidadãos angolanos estão treinados para "não pensar ou agir", apelando à "despartidarização das mentes" em que cada um deixe de ter medo de falar.

"Eu acredito que temos de despartidarizar as mentes das pessoas. Criámos uma nação em que todo o mundo tem de estar associado a algum partido para se sentir protegido para poder falar e ter liberdade de expressão", mas é preciso "acabar com isso", afirma o activista, em entrevista à agência Lusa, em Lisboa, onde está para apresentar o seu livro "Sou eu mais livre, então. Diário de um preso político angolano".

Luaty Beirão defende que a participação pública dos cidadãos não deve estar dependente de partidos. "A sociedade civil, o cidadão individualmente, tem de ter o seu espaço", mas isso não acontece em Angola.

Em Angola, "o cidadão desistiu porque foi treinado que não podia pensar", porque "se ele pensar vão-lhe acontecer coisas más, vai perder o emprego, vai ser perseguido e vai começar a receber telefonemas e mensagens ameaçadoras", afirma o activista, que considera esses receios naturais.

"As pessoas vêem o que acontece com os outros e não vão provocar, não se metem nisso. E foram treinados, foram desincentivados de pensar e de agir", resume o activista, que rejeita ser considerado um mártir político pela democracia no país.

"A maior parte de nós escolheu trilhar este caminho consciente dos problemas que ia encontrar. Desde 2011 que estamos mentalizados que metermo-nos com esta gente pode significar pior que a prisão", explica.

"Não me vejo como um mártir, vejo-me como uma vítima da repressão. A forma como nós somos tratados por exigir direitos fundamentais é que nos está a dar essa imagem", diz o activista.

A greve de fome e a exposição mediática que alcançou colocaram Luaty Beirão como o mais relevante do grupo de detidos.

O luso-angolano mostra-se consciente que o seu nome "faz mais notícia" porque foi criado no meio das pessoas ligadas ao Governo.

"Eu cresci no seio das pessoas que mandam no país, cresci com eles, os filhos deles foram meus amigos. Eu dei-me com essa gente toda", diz, admitindo que o facto de ter uma tez de pele clara e ligações a Portugal também ajudou a dar visibilidade ao seu caso.

"Há a nacionalidade e o factor cor", admite Luaty Beirão.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub