Justiça Luís Filipe Vieira: "Não pratiquei qualquer ilícito que me possa ser imputado"

Luís Filipe Vieira: "Não pratiquei qualquer ilícito que me possa ser imputado"

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, assumiu hoje a estupefacção com a associação do seu nome à 'Operação Lex', que investiga suspeitas de corrupção, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.
Luís Filipe Vieira: "Não pratiquei qualquer ilícito que me possa ser imputado"
Correio da Manhã
Lusa 02 de fevereiro de 2018 às 13:31

"Afirmo, de forma peremptória, que estou de consciência totalmente tranquila. Não pratiquei qualquer ilícito que me possa ser imputado. É, aliás, com enorme estupefacção que vejo o meu nome associado a este processo", afirmou Luís Filipe Vieira, em comunicado enviado à agência Lusa.

 

Luis Filipe Vieira e o vice-presidente do clube Fernando Tavares são dois dos 12 arguidos da 'Operação Lex', entre os quais os juízes desembargadores Rui Rangel e Fátima Galante.

 

"No decurso desta semana, o meu nome tem sido associado a um processo judicial que tem alimentado as mais diversas especulações, algumas já desmentidas, sobre factos respeitantes à minha vida pessoal e enquanto presidente do Sport Lisboa e Benfica. Nunca, ao longo dos meus sucessivos mandatos como dirigente e presidente do Sport Lisboa e Benfica, confundi ou misturei a minha vida pessoal e profissional com a instituição Sport Lisboa e Benfica", prosseguiu Vieira, assegurando ser o "mesmo de sempre que chegou ao Benfica, há 18 anos".

 

No mesmo comunicado, o dirigente 'encarnado' assume-se tranquilo e disponível para colaborar na justiça, em que diz confiar.

 

"Confio na Justiça. Espero e exijo dela a pronta reposição e esclarecimento da verdade, para o qual manifesto a minha total disponibilidade. Quero transmitir a todos os meus amigos, a todos os benfiquistas e aos portugueses em geral que nada temo e que estou tranquilo porque estou seguro da minha conduta em todos os domínios da minha vida", frisou o presidente do clube, reiterando intransigência "na defesa do prestígio, imagem e futuro do Sport Lisboa e Benfica".

 

A 'Operação Lex', que nasceu de uma investigação anterior, denominada Rota do Atlântico, centra-se nas suspeitas de corrupção, recebimento indevido de vantagem, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

 

Na operação, desencadeada na terça-feira, foram realizadas 33 buscas, das quais 20 domiciliárias, nomeadamente às casas dos juízes rui Rangel e Fátima Galante e aos gabinetes do Tribunal de Relação, ao Sport Lisboa e Benfica, à casa de Luís Filipe Vieira e a três escritórios de advogados.

 

Os interrogatórios judiciais dos cinco detidos começaram na quarta-feira ao início da noite no Supremo Tribunal de Justiça, onde o processo corre termos, dado que envolve dois juízes desembargadores, e é dirigido pelo juiz conselheiro Pires da Graça.

 




pub