Política Lula defende afastamento rápido de Temer e presidente quer prova de autenticidade das gravações

Lula defende afastamento rápido de Temer e presidente quer prova de autenticidade das gravações

O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva defendeu o rápido afastamento de Michel Temer da presidência do país e prometeu defender a realização de eleições directas para a escolha do próximo chefe de Estado. Já Temer disse que vai pedir a suspensão do inquérito de corrupção passiva de que é alvo até que seja confirmada a autenticidade da gravação que alegadamente o compromete.
Lula defende afastamento rápido de Temer e presidente quer prova de autenticidade das gravações
Negócios com Lusa 20 de maio de 2017 às 19:08

"Nós queremos eleições directas, queremos que o Temer saia logo. Não queremos um presidente eleito indirectamente [pelo Congresso brasileiro], mas pelo povo brasileiro. Seja quem for, não importa quem for. Podemos até perder, mas que seja em processo democrático", disse o ex-presidente brasileiro Lula da Silva, citado pela agência Efe.

 

"Podem ter a certeza de que estarei na trincheira com vocês para recuperar a democracia neste país", acrescentou Lula da Silva.

Por seu lado, Michel Temer anunciou hoje que vai pedir a suspensão do inquérito de corrupção passiva de que é alvo no Supremo Tribunal Federal (STF) até que seja confirmada a autenticidade de uma gravação que alegadamente o compromete.

 

"Estamos entrando com petição no STF para suspender o inquérito até que seja verificada a autenticidade da gravação clandestina", afirmou o chefe de Estado brasileiro, numa declaração ao país.

Recorde-se que são três os crimes pelos quais Michel Temer está indiciado. No pedido de abertura de inquérito judicial contra o presidente brasileiro, Temer é acusado dos crimes de corrupção, obstrução à justiça e organização criminosa.

 

A acusação formalizada pelo procurador-geral da República brasileira, Rodrigo Janot, assenta naquilo que foi dito na conversa gravada entre Temer e o empresário Joesley Batista, que é um dos donos da JBS (actualmente o maior grupo privado brasileiro), cujo conteúdo foi divulgado ainda na quinta-feira.


Conversa essa que implica o presidente brasileiro não apenas no alegado suborno ao antigo presidente da Câmara dos Deputados e seu companheiro de partido no PMDB, Eduardo Cunha, mas também noutros ilícitos como crimes de mercado - em concreto relacionados com a divulgação de informações privilegiadas (abordando antecipadamente alterações nas taxas de juro) – ou obstrução à justiça dado que nada terá feito depois de saber de subornos a juízes e procuradores.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
De corrupto em corrupto... 21.05.2017

Este agora está com pressa que o outro saia para ele tentar entrar antes de ser julgado...pobre Brasil o que é (des)governado por esta corja de corruptos!

Danilo Moraes 20.05.2017

Lula é o maior ladrão que vimos. Preparou tudo para implicar adversários.

Conselheiro de Trump 20.05.2017

Tal como nos barcos:o barco nao quer dois capitaes.Para desgraca nossa tambem temos gente dessa num pais onde ele ja e mais que fertil nesse tipo de gente.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub