Saúde Luz Saúde reduz lucros para 8,7 milhões no primeiro semestre

Luz Saúde reduz lucros para 8,7 milhões no primeiro semestre

Os lucros da Luz Saúde, dona do Hospital da Luz, baixaram 13% no primeiro semestre deste ano, em comparação com igual período do ano passado. Ainda assim, as receitas operacionais cresceram 4,3%.
Luz Saúde reduz lucros para 8,7 milhões no primeiro semestre
Miguel Baltazar/Negócios
Bruno Simões 28 de agosto de 2017 às 20:05

O grupo Luz Saúde, liderado por Isabel Vaz, baixou os lucros no primeiro semestre deste ano. De acordo com os resultados hoje divulgados pela empresa, o grupo privado de saúde registou um lucro de 8,7 milhões de euros, que compara com 10 milhões de euros em igual período do ano passado. Ainda assim, os rendimentos operacionais – vendas e serviços – subiram cerca de 10 milhões de euros, para 241,2 milhões de euros, impulsionados pelo "sector privado".

 

A empresa que adquiriu o British Hospital em Julho explica a subida dos rendimentos de cuidados de saúde privados – cresceram 4,9% para 190,5 milhões de euros – com as novas unidades do grupo. "Este crescimento foi impulsionado principalmente pela aquisição de duas unidades na Madeira e pelo processo de ‘turnaround’ no Hospital da Luz-Guimarães (adquirido em 2016)", e também pelo "crescimento orgânico das unidades existentes, ainda que condicionado por restrições de capacidade sobre tudo nas unidades da região de Lisboa".

 

Em concreto, as consultas passaram de 919 mil para 946 mil (subida de 2,9%), os exames de imagiologia também aumentaram – de 536 mil para 552 mil (mais 3,1%), e as cirurgias e partos também subiram, embora de forma pouco expressiva (0,6% para 32 mil). Em sentido inverso, os atendimentos de urgência diminuíram 3,3% para 303 mil.


O EBITDA – resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações – também desceu face a 2016, cifrando-se em 26,8 milhões (o que compara com 28 milhões face ao ano passado).

 

A compra do British Hospital, concluída em Julho, servirá precisamente para colmatar essa falta de capacidade. A aquisição do grupo que pertencia à ex-SLN – entretanto colocado na Galilei – pela Luz Saúde servirá para "o desenvolvimento da sua actividade operacional, bem como na articulação com as restantes unidades", o que vai permitir "consolidar a posição do Grupo Luz Saúde na região de Lisboa e, em particular, ajudar a fazer face aos actuais constrangimentos de capacidade e consequente satisfação da procura", lê-se no documento com os resultados dos primeiros seis meses de 2017.

 

Como foi fechada em Julho, a compra do British Hospital ainda não consta das contas hoje divulgadas. O valor da operação ainda não foi divulgado publicamente.

 

Investimento desce, activo e dívida sobem

 

A Luz Saúde comunicou um investimento de 35,7 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano (o que compara com 53,6 milhões no mesmo período de 2016). Do investimento consolidado, de 35,5 milhões, a maior fatia, de 24,5 milhões, representa "investimento de expansão, quer em termos geográficos, com a aquisição de duas unidades na Madeira e a construção de uma nova unidade em Vila Real, quer de unidades já existentes, com o investimento em curso na expansão do Hospital da Luz em Lisboa e do Hospital da Luz Clínica de Oeiras, que permitirão fazer face aos atuais constrangimentos de capacidade e consequente satisfação da procura".

 

Os restantes 11 milhões "corresponderam a investimentos de reposição e actualização tecnológica, com destaque para a continuação do investimento na área de diagnóstico por imagem em várias unidades do grupo".

 

Este investimento lançou o total de activo fixo do grupo para 400,1 milhões de euros, "explicado pela estratégia da empresa de detenção da maioria dos seus activos, com um património imobiliário significativo". Em resultado dos investimentos, a dívida financeira total passou dos 254,1 milhões no final de 2016 para 288 milhões no final do primeiro semestre deste ano.

O grupo Luz Saúde (ex-Espírito Santo Saúde) é controlado em 98,7% pela Fidelidade, seguradora que por sua vez é detida em 85% pelos chineses da Fosun.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Que Horror 29.08.2017

A mulher é simplesmente feia

pertinaz 29.08.2017

RESULTADOS EXCELENTES COM A AJUDA DA ESCUMALHA DE ESQUERDA QUE ESTÁ A DESTRUIR O SNS... BASTA VER QUE OS TEMPOS DE ESPERA PARA CIRURGIAS SÃO AINDA MAIORES QUE NOS TEMPOS DA TROIKA...!!!