Zona Euro Macron defende mutualização das dívidas futuras

Macron defende mutualização das dívidas futuras

Em entrevista à RTP, o candidato às presidenciais francesas apoia uma Zona Euro mais solidária, e apesar de se assumir contra a mutualização das dívidas já existentes, garante ser favorável a essa opção no caso das dívidas que venham a ser contraídas no futuro.
Macron defende mutualização das dívidas futuras
Reuters
David Santiago 11 de abril de 2017 às 15:52

"A mutualização de dívidas futuras tem sentido" mas a das "dívidas passadas não", diz Emmanuel Macron num excerto já disponível da entrevista concedida à RTP e que irá para o ar esta terça-feira, 11 de Abril, na estação pública.

 

O concorrente às presidenciais gaulesas que terão lugar dentro de menos de duas semanas - e que é apontado pelas sondagens como o mais forte candidato a conquistar o Eliseu e, pelo caminho, destronar a nacionalista Marine Le Pen - fez jus ao seu europeísmo, dizendo ser a favor de um Velho Continente mais solidário.

 

"É preciso solidariedade europeia" garante, reconhecendo que vender dívida de forma solidária "é a ideia de orçamento". Como tal, Macron diz "sim à solidariedade e à mutualização de dívidas futuras, e portanto a um verdadeiro orçamento, a uma nova capacidade de financiamento da Zona Euro", mas diz "não à mutualização das dívidas passadas".

 

Este "não" explica-se porque mutualizar as dívidas contraídas no passado "é uma irresponsabilidade". Lembrando que "sem os alemães não poderemos avançar", Emmanuel Macron compreende a recusa de Berlim em aprofundar esta questão: "um deputado alemão não pode dizer à sua população que ela fez esforços, que eles fizeram esforços, que já não têm défice corrente, que reduziram o endividamento, mas que agora vão mutualizar [a dívida] daqueles que não o fizeram".

 

"Eles dirão que é uma loucura, não vão aceitar. Há que ser realista", atira Macron.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 11.04.2017

Primeiro,o negócio eleitoral é "futuro",depois terão de ser dividas "autorizadas" pelo Europrupo "of course"

comentários mais recentes
Anónimo 12.04.2017

Mais um socialista. E o discurso é sempre o mesmo: Arranjar sempre novas formas de gastar aquilo que ainda não se produziu. Cortar na despesa ? Viver com o que se produz tentando aumentar/racionalizar os recursos ? Esquece lá isso. Bom bom é gastar sempre mais. É a geração rasca mesmo !!!!

SALAZAR 11.04.2017

DEPOIS DESTA AFIRMAÇÃO, MAIS VALE GANHAR A LE PEN.ACABEM DE UMA VEZ COM ESTA UNIÃO EUROPEIA DA TRETA.

surpreso 11.04.2017

Primeiro,o negócio eleitoral é "futuro",depois terão de ser dividas "autorizadas" pelo Europrupo "of course"

pub