União Europeia Macron: "O mundo espera por nós, que sejamos fortes, sólidos e clarividentes"

Macron: "O mundo espera por nós, que sejamos fortes, sólidos e clarividentes"

No primeiro discurso como presidente de França, Emmanuel Macron apelou à união do país e à reforma das instituições e comprometeu-se com uma maior protecção dos franceses, em particular os jovens.
Macron: "O mundo espera por nós, que sejamos fortes, sólidos e clarividentes"
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 14 de maio de 2017 às 10:43

O novo presidente da República francesa, Emmanuel Macron, defendeu este domingo, 14 de Maio, o papel de França na Europa e no mundo, apelando à união dos franceses e ao reforço da confiança no país e a um papel mais activo na cena internacional, exigindo uma Europa "mais eficaz, democrática e política."

No seu discurso de tomada de posse no palácio presidencial do Eliseu, em Paris, Macron – que aos 39 anos se torna no mais novo presidente de França - defendeu que o "mundo e Europa precisam mais que nunca da França, forte, certa do seu destino e que saiba inventar o futuro. De que os franceses e França sempre lhe mostraram," argumentando que cabe ao país corrigir os "excessos" do curso do mundo.

Numa intervenção que durou cerca de 15 minutos, elencou duas exigências com as quais se compromete no mandato de cinco anos que agora se inicia: devolver aos franceses a confiança em si próprios e dar esse exemplo a nível internacional.

Como parte da primeira exigência, garantiu que os franceses "deverão ver-se mais protegidos" e comprometeu-se com a libertação do trabalho, o apoio às empresas e o encorajamento da iniciativa, ao mesmo tempo que prometeu colocar no centro da sua acção a cultura, a educação, a criação e a inovação. 

"Apesar dos ventos contrários, o país tem todos os recursos para figurar na primeira linha das nações," defendeu, apelando à responsabilidade de todas as elites e garantindo que os franceses serão escutados e protegidos. "As francesas e os franceses que se sentem esquecidos por este vasto movimento do mundo deverão ver-se mais bem protegidos," argumentou.

Depois, virou-se para a cena internacional, prometendo dar o exemplo de um povo e enumerando as conquistas de cada um dos seus antecessores: De Gaulle, Pompidou Giscard d'Estaing, Miterrand, Chirac e Sarkozy, até Hollande.

A interdependência e vizinhança torna comuns, disse, temas como a crise migratória, as alterações climáticas, os efeitos do capitalismo as derivas autoritárias ou a ameaça terrorista. "Chegou a altura da França se elevar à altura do momento. O mundo espera que sejamos fortes, clarividentes. (...) Temos um trabalho imenso: corrigir os excessos do rumo do mundo. É essa a nossa vocação," afirmou.

E deixou o recado aos parceiros do velho continente, reclamando a necessidade de uma Europa "mais eficaz, mais democrática"

"Temos de construir o mundo que a nossa juventude merece. (...) Nada me fará renunciar a defender os interesses de França," assegurou.

Uma transição "simples, clara e amigável"

Às 11:09 locais (menos uma hora em Portugal Continental) François Hollande, com a partida numa viatura DS de fabrico francês, deixou de ser presidente. Onze minutos depois, Macron era anunciado presidente da República, ao som de música de câmara, no interior do palácio do Eliseu, em Paris.

O presidente cessante, que cumpriu um mandato de cinco anos no cargo, tinha prometido uma transição "simples, clara e amigável", tanto mais que não considera Macron – um antigo ministro da Economia de um governo seu – como um opositor político. Entre os temas sensíveis da passagem de poder em Paris, que ocupou mais de uma hora de reunião entre os ex e novo presidente, estiveram os códigos com os quais o presidente pode dar ordem de uso da força nuclear.

Depois, Laurent Fabius, presidente do conselho constitucional, anunciou os resultados da votação do último domingo: 20.743.128 de eleitores votaram em Macron, tornando-o no oitavo presidente eleito da V República. Aludiu à "campanha inédita" e citou Chateaubriand: "Para se ser um homem do seu país é preciso ser-se um homem do seu tempo".

"Acalme a ira, repare as feridas, trace o caminho e protagonize a esperança. A sua vitória será a vitória da França," disse Fabius.

Agenda preenchida para segunda-feira

O primeiro-ministro do novo governo francês será nomeado pelo presidente esta segunda-feira de manhã e os nomes e pastas dos ministros serão conhecidos um dia depois. Entre os nomes que têm sido sugeridos na imprensa, o mais insistente é o de Edouard Philippe, um autarca, deputado e porta-voz da campanha do candidato às primárias da direita Alain Juppé.

Também falados para o cargo estão o secretário-geral do La République en Marche (o movimento político de Macron, de quem é considerado braço-direito), Richard Ferrand, a eurodeputada centrista Sylvie Goulard e do antigo ministro Jean-Louis Borloo, com pastas como a economia, as cidades e renovação urbana sob as presidências de Jacques Chirac e de Nicolas Sarkozy.

Uma sondagem do Ifop conhecida este domingo conclui que os franceses inquiridos apontam para que o sucessor de Bernard Cazeneuve seja um perfil masculino, com menos de 50 anos e com experiência no mundo profissional e do mundo, mais do que na política. Além disso, preferem que seja politicamente neutro, que fale inglês e que tenha tido um emprego fora da política.

A agenda do primeiro dia útil da presidência Macron estará marcada pelo encontro com a chanceler alemã Angela Merkel em Berlim, onde analisarão a segurança – desde logo em torno da ameaça terrorista -, a economia, o investimento e a protecção social na Europa.

O próximo desafio imediato de Macron são as eleições legislativas de 18 junho, para as quais transformou em partido (La République en Marche) o movimento político (En Marche) que o levou ao Eliseu.

Emmanuel Macron venceu (65,9%) a segunda volta das eleições presidenciais em França a 7 de Maio, derrotando a candidata da Frente Nacional Marine Le Pen (34,1%) e tornando-se aos 39 anos no presidente mais jovem de sempre da República Francesa. Será o oitavo presidente da V República.


(Notícia actualizada às 11:21 com mais informação)




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 14.05.2017

Extermina o excedentarismo de carreira sindicalizado. O mundo espera por vocês há muito.

comentários mais recentes
Anónimo 14.05.2017

O essencial de uma entrevista com Schäuble em Maio de 2017 é isto: "Alemanha e a França estavam praticamente ao mesmo nível em termos de performance económica em 2003, antes de o antigo chanceler Gerard Schroeder ter implementado uma reforma na área laboral." Macron tem como base do seu programa eleitoral a seguinte declaração: "Ingressaremos gradualmente numa época em que ter um emprego vitalício baseado em tarefas que não são justificadas será cada vez menos sustentável - na verdade já estamos lá." O Eixo Franco-Alemão vai finalmente renascer das cinzas à imagem do melhor que a governação europeia sob a égide de Mitterrand–Kohl nos revelou no passado.

Anónimo 14.05.2017

"We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

Anónimo 14.05.2017

O feudalismo fúncio de megafone na mão tem os dias contados na Europa. Ou essa ladroagem atina ou bem que pode emigrar para a Venezuela, Cuba ou Coreia do Norte.

Anónimo 14.05.2017

Nas economias, culturas e sistemas político-legais mais avançados da Europa, a esquerda está a dar as suas últimas despedidas. É na Europa pobre e à deriva do sul, capturada por tudo aquilo que essas esquerdas retrógradas e desfasadas da realidade contemporânea defendem ininterruptamente há mais de 100 anos, que as esquerdas ainda encontram simpatias por entre o sindicalismo, o excedentarismo, a corrupção, o compadrio e a mais pura indigência moral e intelectual. Macron, um liberal social de excepção desiludido com o socialismo que renegou pública e peremptoriamente ainda como membro de um governo socialista, é o início de uma nova era de justiça, progresso e prosperidade em França, na União Europeia e no restante mundo livre e desenvolvido.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub