Europa Madrid ameaça intervir nas finanças da Catalunha para tentar travar referendo

Madrid ameaça intervir nas finanças da Catalunha para tentar travar referendo

O governo espanhol deu 48 horas à Catalunha para que abdique do controlo de toda a componente orçamental que não seja usada para pagar serviços essenciais e salários. Caso contrário, toma as rédeas dos cofres da região.
Madrid ameaça intervir nas finanças da Catalunha para tentar travar referendo
Angel Navarrete/Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 15 de setembro de 2017 às 13:56

O governo espanhol deu esta sexta-feira, 15 de Setembro, um ultimato de 48 horas ao governo regional da Catalunha, a Generalitat, para que abdique do controlo de parte do seu orçamento, caso contrário Madrid intervirá nas contas da região, passando a controlar os pagamentos.

Esta é mais uma tentativa do governo liderado por Mariano Rajoy para tentar impedir a realização do referendo independentista previsto para 1 de Outubro, desta vez tentando impedir o uso de verbas públicas para esse fim.

Em 48 horas, o governo regional deverá assim, segundo o El País, aprovar um acordo de indisponibilidade orçamental sobre todo o orçamento catalão que não esteja vinculado a serviços públicos fundamentais, como salários, saúde, educação e serviços sociais.

"O Governo estabeleceu um mecanismo de controlo de pagamentos para garantir os serviços públicos dos catalães", afirmou o ministro da Fazenda espanhol, Cristóbal Montoro, acrescentando que o controlo garantirá que os fundos públicos não serão destinados a "actividades ilegais".

A decisão surge depois de o vice-presidente do governo regional, Oriol Junqueras, se ter oposto ao "controlo político" do governo central que diz existir na obrigatoriedade de envio semanal para Madrid de informação sobre as despesas da região.

Enquanto as autoridades regionais se "negarem a cumprir a lei", avisa Montoro, manter-se-á o controlo sobre os 1.400 milhões de euros que a região recebe por mês, passando o Estado central a pagar directamente boa parte dos salários dos funcionários. 

"Estamos a aplicar a Lei da Estabilidade Orçamental, que é a que permite ao governo tomar medidas excepcionais e face a isto é impossível que a Generalitat não o cumpra," afirmou o governante aos jornalistas, citado pelo La Vanguardia.

"Se uma actividade é ilegal, nem um euro público ou privado pode financiá-la. Não pode haver nenhum privado que diga, 'não te preocupes, que eu pago'," afirmou o porta-voz do governo Íñigo Méndez de Vigo sobre o financiamento da consulta pública prevista para 1 de Outubro.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tiago Soares Pinto Há 1 semana

Há portugueses que parece que são espanhóis. Os portugueses devem estar do lado da Catalunha. Os fascistas são quem não quer que o povo catalão vote. Estão com medo do resultado do referendo? Porque é que não querem dialogar com o governo catalão? Porque são fascistas.

Criador de Touros Há 1 semana

Deveria ter dido ontem.

surpreso Há 1 semana

Cortem a guita aos fascistas catalães

5640533 Há 1 semana

Esta gente catalana ainda não percebeu que hoje em dia os estados pequenos são praticamenge inviáveis.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub