Banca & Finanças Maiores bancos a operar nos EUA passaram todos nos testes de stress

Maiores bancos a operar nos EUA passaram todos nos testes de stress

O banco central dos EUA, liderado por Janet Yellen, divulgou esta noite os resultados dos testes de resiliência às 34 maiores instituições financeiras que operam no país. E todas passaram no exame.
Maiores bancos a operar nos EUA passaram todos nos testes de stress
Carla Pedro 22 de junho de 2017 às 21:43

A Reserva Federal norte-americana divulgou esta quinta-feira, 22 de Junho, os resultados da primeira parte dos seus testes de stress anuais à banca, realizados no âmbito da Lei Dodd-Frank promulgada após a crise financeira de 2008.

E as conclusões são animadoras: os 34 bancos escrutinados tiveram todos cartão verde quanto à sua capacidade de resistirem a choques económicos.

Todos os bancos sujeitos a esta primeira fase dos testes de stress anuais excederam os requisitos mínimos, apesar de o Morgan Stanley ter ficado aquém das restantes entidades de Wall Street no que diz respeito ao indicador-chave da alavancagem, tendo sido o segundo ano em que teve um desempenho pior do que os seus pares nesta importante métrica, refere a Bloomberg, citando o relatório da Fed.

No ano passado, na segunda fase dos testes, em que se analisam as propostas de distribuição de dividendos aos accionistas, o Morgan Stanley foi obrigado a reformular o seu plano, de modo a atender a uma "debilidade material". Os resultados dessa segunda fase serão divulgados na próxima semana.

"Os resultados deste ano mostram que, mesmo que ocorresse uma grave recessão, os nossos grandes bancos continuariam bem capitalizados", declarou Jerome Powel, um dos governadores da Fed, numa declaração sobre as conclusões do banco central.

No ano passado, nos resultados dos testes de stress realizados a 33 grandes instituições financeiras houve dois chumbos: as unidades norte-americanas do alemão Deutsche Bank e do espanhol Santander. E um terceiro, o Morgan Stanley, passou à justa.


Ambas as unidades destes bancos europeus a operarem nos EUA tinham já recebido cartão vermelho nos testes de stress de 2015, e também em termos qualitativos, por não preencherem os critérios previstos. O Santander Holdings USA também já tinha sido chumbado em 2014, devido a problemas ao nível da "governance", controlos internos, gestão de risco e sistemas de informação.

Nesta análise da Fed à robustez financeira das maiores instituições financeiras a operarem nos EUA (o requisito é que tenham mais de 50 mil milhões de dólares em activos) a Fed avalia avalia se estas dispõem de amortecedores de capital suficientes para sobreviverem a uma crise semelhante à de 2008.


Esta avaliação à qualidade dos activos da banca, conhecida como Comprehensive Capital Analysis and Review (CCAR [Análise e Avaliação Abrangente do Capital]), é essencial para os bancos, já que determina se eles podem avançar com os seus programas de distribuição de dividendos e de recompra de acções nos próximos 12 meses.


(notícia actualizada às 23:01)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 22.06.2017

Outra coisa nao seria de esperar,visto que todos foram vacinados no tempo certo contra o virus.Se esse virus chega ao velho continente deixa seguramente 70% dos bancos em quarantena.Vao-se remetendo ao silencio,so que o silencio deles e mais barulhento que as peixeiras na lota.

pub