Política Maioria dos membros do Supremo Tribunal brasileiro aprova denúncia contra Temer

Maioria dos membros do Supremo Tribunal brasileiro aprova denúncia contra Temer

A maioria dos juízes do Supremo Tribunal Federal do Brasil votou a favor do envio da segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o Presidente Michel Temer para a Câmara dos Deputados (câmara baixa).
Maioria dos membros do Supremo Tribunal brasileiro aprova denúncia contra Temer
Reuters
Negócios com Lusa 21 de setembro de 2017 às 00:54

Num julgamento que começou na tarde de quarta-feira, sete dos onze magistrados do Supremo Tribunal Federal (STF) julgaram procedente dar andamento à denúncia contra o presidente Michel Temer, enquanto um apresentou posição contrária.

 

O julgamento será retomado esta quinta-feira, mas já há uma maioria simples a favor do andamento da denúncia.

 

Michel Temer foi constituído arguido pela PGR na semana passada, acusado de cometer crimes de obstrução de Justiça e participação em organização criminosa.

 

A acusação foi baseada em depoimentos e indícios apresentados por executivos da multinacional do sector de carnes JBS, que fizeram um acordo para confessar crimes em troca de perdão judicial (a chamada denúncia [delação] premiada) e acabaram por comprometer Michel Temer.

 

Com efeito, Temer vê-se ameaçado por um processo de corrupção depois de em Maio passado ter sido divulgado que o presidente tinha sido gravado a dar autorização ao pagamento de um suborno para comprar o silêncio de Eduardo Cunha, antigo líder da Câmara dos Deputados que se encontra preso na sequência da Operação Lava-Jato.

 

Mas, como a PGR suspendeu o acordo com a JBS por suspeitar que a empresa cometeu irregularidades, os advogados de Michel Temer queriam paralisar o caso.

 

Não é a primeira vez que Temer é arguido enquanto comanda o Governo do Brasil: escapou de um primeiro processo em Agosto passado, ao vencer uma votação no plenário da Câmara dos Deputados (Câmara Baixa parlamentar).

 

Nessa altura, como a denúncia de que era alvo foi travada, não seguiu então para o Supremo Tribunal Federal. Se fosse decidido que Michel Temer seria julgado pelo Supremo Tribunal, no âmbito das acusações de corrupção passiva de que é alvo, isso levaria à perda do seu mandato por um prazo máximo de 180 dias.

 

Segundo a Constituição do Brasil, cabe aos membros da Câmara Baixa julgar se o chefe de Estado pode ser processado criminalmente no exercício do seu mandato.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Notícias Relacionadas
pub
pub
pub