Segurança Social Maioria dos votantes em Passos aplaude redução da TSU

Maioria dos votantes em Passos aplaude redução da TSU

Partidos e eleitores estão de costas voltadas. Maioria dos votantes do PSD e CDS aplaude a medida, enquanto os eleitores do Bloco, que é contra, aprovam a redução de custos para as empresas.
Maioria dos votantes em Passos aplaude redução da TSU
Manuel Esteves 16 de janeiro de 2017 às 08:00

O resultado não poderia ser mais inoportuno para Pedro Passos Coelho. Num gesto surpreendente, o líder do PSD anunciou, na quinta-feira, que o partido iria votar contra o diploma que estabelece a redução da Taxa Social Única para os trabalhadores que recebem salário mínimo. O anúncio tornou-se no grande tema político da actualidade, gerando reacções em catadupa e um aceso debate entre os principais protagonistas políticos.

E os eleitores, o que pensam desta polémica? Uma sondagem da Aximage, cujo trabalho de campo decorreu entre 6 e 9 (ou seja antes do anúncio do PSD), dá a resposta. E é uma resposta surpreendente porque mostra que partidos e eleitores andam de costas voltadas nesta matéria. A maioria (55%) dos inquiridos que votaram na coligação PSD-CDS nas últimas eleições legislativas diz que a diminuição da TSU – da qual tanto o PSD como o CDS discordam – "foi uma boa medida".

Mas não são só os eleitores do PSD que vão contra ao partido. O Bloco opôs-se frontalmente à redução da TSU em 1,25 pontos, anunciando que chamaria o diploma ao Parlamento, tal como o PCP. Ainda na sexta-feira, Catarina Martins afirmou que "Não tem nenhum sentido financiarmos com o dinheiro do Orçamento do Estado e dos contribuintes o aumento do salário mínimo".

Os seus eleitores parecem discordar: 63% dizem que "foi uma boa medida", quase o dobro dos que se opõem a ela (36%). Não há nenhum partido que tenha eleitores tão favoráveis à redução da TSU como o Bloco – o PSD fica-se pelos 55%.

Mesmo no PS, não existe uma sintonia entre o discurso e prática do partido e Governo e o dos seus votantes. Entre os que assumiram ter votado no PS nas eleições legislativas, só 46% defende a redução da TSU. E, quase tantos, 41% dizem que "foi uma má medida", ou seja, uma percentagem superior à dos eleitores do PSD que se opõem à descida.

A avaliar pela sondagem da Aximage, apenas o PCP está a defender aquilo que a esmagadora maioria dos seus eleitores quer ouvir. Com efeito, 65% dizem que a descida da TSU para compensar as empresas que têm funcionários com o salário mínimo é "uma má medida" e só 20% concordam com ela.

No cômputo geral, a maioria dos portugueses defende a descida da TSU. São 51% contra 40% que dizem que a medida é má. 

 

Aumento do salário mínimo é consensual

No que toca ao aumento do salário mínimo – que passa de 530 para 557 euros já este mês – esta é uma decisão que merece um apoio esmagador. As opiniões divergem só entre o aumento "possível" e o "deveria ter sido maior": 40% dos portugueses dizem que a medida é justa e que este é o aumento "possível", enquanto 53% considera que o aumento devia ser superior. Só 2,5% defende uma subida menor.

Ao nível do salário mínimo, partidos e eleitores parecem estar mais alinhados, embora no PSD e CDS a sintonia não seja completa. É que os dois partidos manifestaram reservas sobre a dimensão do aumento e por este não acautelar a evolução da economia, em particular da produtividade. Mas para os votantes, isso pouco importa pois só 6,4% defende que o aumento "deveria ter sido mais pequeno".

O apoio é ainda mais expressivo nos partidos à esquerda. Aí a diferença reside apenas no número dos que defendem um aumento superior ao aprovado: no caso do PS e Bloco, 46% e 57%, respectivamente, dos eleitores dizem que devia ser maior. Esta percentagem que sobe para 82% no PCP. A avaliar pelos resultados desta sondagem, este é o partido onde há maior harmonia entre os seus dirigentes e votantes. 



A sua opinião45
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 09.03.2017

Ainda me adem explicar como é que no gráfico com os dados percentuais da sondagem CM/Aximage, o PCP conta com 104% de votos. É mau jornalismo ou um erro técnico inadmissível!

Oscar Tini 17.01.2017

Sondagem da Aximage... Fiquei esclarecido quanto à credibilidade.

Cãolambas 16.01.2017

Disse PSDs ou PPDs? Ainda que o que escreveu fosse verdade nunca essa verdade pode servir para apoiar vigaristas,sim,porque é de vigaristas que se trata! Estão a ver a TROIKA a espreitar e todos querem cavar e depois empurram as culpas para os q estão fora mas os PPDs não são carneiros

Anónimo 16.01.2017


PRINCÍPIO DA IGUALDADE, justiça, confiança, proporcionalidade (Ler com atenção se for membro do TC)

Então há dinheiro para pagar aos atuais pensionistas, e não há dinheiro para pagar aos futuros pensionistas?

Mas que justiça é esta?...

As pensões, sejam elas altas ou baixas, devem ser calculadas pela mesma fórmula para todos… atuais e futuros pensionistas!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub