Economia Mais de 128.000 hectares ardidos, maior área da última década

Mais de 128.000 hectares ardidos, maior área da última década

Os incêndios florestais consumiram este ano mais de 128 mil hectares, a maior área ardida no mesmo período na última década e quase cinco vezes mais do que a média anual dos últimos dez anos.
Mais de 128.000 hectares ardidos, maior área da última década
Cofina Media
Lusa 04 de agosto de 2017 às 08:27
De acordo com o relatório provisório do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), relativo ao período entre 1 de Janeiro e 31 de Julho, registaram-se 8.539 ocorrência (1.925 incêndios florestais e 6.614 fogachos), o 5.º valor mais elevado em 10 anos.

A base de dados nacional de incêndios florestais regista, no período compreendido entre 1 de Janeiro e 31 de Julho de 2017, um total 128.195 hectares de área ardida de espaços florestais, entre povoamentos (76.422ha) e matos (51.773ha).

Até 31 de Julho de 2017 há registo de 556 reacendimentos, menos 12% do que a média anual do período 2007-2016.

O distrito mais afectado no que se refere à área ardida é Leiria, com 20.348 hectares, cerca de 16% da área total ardida até à data, seguido de Coimbra, com 18.045 hectares (14% do total) e de Portalegre, com 17.437 hectares (14% do total).

O distrito de Leiria foi afectado pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, onde morreram mais de 60 pessoas e arderam 20.072 hectares de espaços florestais (cerca de 98,6% da área ardida no distrito).

Os distritos de Porto (1.846), Braga (990) e Viseu (882) foram os que tiveram mais ocorrências, mas estas foram maioritariamente fogachos, ou seja, não ultrapassaram um hectare de área ardida. No caso específico do distrito do Porto a percentagem de fogachos é de 90%.

Da análise do índice de severidade diário (DSR), acumulado desde 1 de Janeiro, o relatório do ICNF indica que 2017 é o terceiro ano mais severo desde 2003, abaixo dos anos de 2005 e 2012.

"Face às condições meteorológicas adversas, favoráveis à propagação de incêndios florestais, a ANPC [Autoridade Nacional da Proteção Civil] decretou, até à data, 37 dias de alerta especial de nível amarelo ou superior do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF), dos quais 27 durante o mês de Julho", acrescenta o documento.

O número de ocorrências registado mensalmente mostra que os meses de Fevereiro, Março, Maio e Julho de 2017 ficaram abaixo dos respectivos valores médios mensais do decénio 2007-2016.

Em Abril registou-se o maior número mensal de ocorrências (2.285), quase três vezes mais do que a média mensal do decénio (cerca de 27% do total de ocorrências registadas no ano até à data).

O mês de Julho lidera este ano com a maior área ardida em Portugal continental (68.632 hectares) que representa mais de 50% da área ardida até à data.

Quanto aos grandes incêndios (com área total igual ou superior a 100 hectares), até ao dia 31 de Julho registaram-se 60, que queimaram 112.988 hectares de espaços florestais, cerca de 88% do total da área ardida.

O maior desta categoria de incêndios foi o que teve início na Várzea dos Cavaleiros, na Sertã (Castelo Branco), no dia 23 de Julho, que queimou 29.162 hectares. Logo depois surge o grande incêndio de Pedrógão Grande (Leiria), com 20.072 hectares de área ardida.

Segundo dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, o pior ano em total de área ardida nos últimos dez anos aconteceu em 2016, quando o fogo consumiu mais de 160 mil hectares.

Quase 79% de Portugal continental encontrava-se em Julho em situação de seca severa e extrema, segundo o boletim climatológico do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que ponta um ligeiro desagravamento da seca severa (passou de 72,3% para 69,6%) e um pequeno agravamento na seca extrema (passou de 7,3% para 9,2%).



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Costa campeão! Será a maior catástrofe só num mandato do que foram todos governos xuxalistas(bancarrotas, ladrões, pedofilia, tragédia da ponte 59 mortes, ...).

Mr.Tuga Há 1 semana

Isto não é um pais!

É uma CAGADEI*RA a céu aberto!
E os habitantes desta cagade+ira são autênticos CAGALHOES*!
O asqueroso e repugnante troglodita tuga deveria ser eliminado da face da terra!

TinyTino Há 1 semana

Quando a PaF andou a cortar toda a gente batia palmas. Os efeitos dos cortes vêem-se no longo prazo. Eis o resultado da austeridade

Camponio da beira Há 1 semana

Muita gente anda a ganhar bem a vida com isso...outros perdem-na! Agora uma coisa é certa, muita gente já devia estar na cadeia com trabalhos forçados ha muitos anos.

ver mais comentários
pub