Economia Mais de 500 mulheres vão participar no Fórum Económico Mundial de Davos

Mais de 500 mulheres vão participar no Fórum Económico Mundial de Davos

O Fórum Económico Mundial de Davos começa esta quarta-feira e prolonga-se até 23 de Janeiro. A organização estima que o evento este ano mais de 500 participantes do sexo feminino, cerca de 18% do total, e mais 1% do que em 2015.
Mais de 500 mulheres vão participar no Fórum Económico Mundial de Davos
Bloomberg
Inês F. Alves 18 de janeiro de 2016 às 19:22

Este ano, 18% dos mais de 2.500 participantes do Fórum Económico Mundial de Davos são mulheres, informa a organização. Tratam-se de responsáveis políticas, empresárias e investigadoras que estão a assumir um papel de liderança no mundo de hoje e a construir as bases da economia do futuro.

Entre as presentes está a ministra das Finanças da Nigéria, a maior economia africana, Kemi Adeosun; a directora geral do CERN, Fabiola Gianotti; a primeira presidente da Lituânia, Dalia Grybauskaite; a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg; e a CEO da General Motors, Mary Barra.

A estes nomes de peso juntam-se ainda veteranas de Davos, como Sheryl Sandberg, COO do Facebook, ou Christine Lagarde, directora-geral do Fundo Monetário Internacional.

Do sector empresarial destaca-se a presença de mulheres como Meg Whitman, a CEO da Hewlett Packard; Zhang Xin, uma multi-milionária chinesa por mérito próprio, fundadora da imobiliária SOHO China; Elvira Nabiullina, a primeira mulher a assumir o papel de governadora do Banco da Rússia, ou Cathy Engelbert, CEO da Deloitte.

Estas são apenas algumas das mais de 500 mulheres que vão estar no Fórum Económico Mundial de Davos este ano, cerca de 18% do total de participantes, acima dos 17% de 2015 e dos 16% de 2014.

Escreve a Fortune que este fórum económico, um dos eventos anuais de maior relevo no mundo empresarial e político, já foi criticado no passado pela falta de paridade. E isso é algo que a organização tem tentado resolver através de um "esforço concertado" para envolver mais mulheres, contou Saadia Zahidi, responsável do Fórum Económico Mundial.

"Estamos a tentar garantir que qualquer grande empresa que integre a lista da Fortune 500 ou da Fortune 1000 e que tenha CEO do sexo feminino esteja presente", acrescentou a responsável.

Em 2011, por exemplo, o grupo instituiu uma regra que obrigava os parceiros estratégicos do Fórum Económico Mundial, que normalmente trazem delegações de cinco ou mais pessoas, a ter nas suas comitivas pelo menos uma pessoa cujo género fosse diferente da maioria do grupo em causa.

Apesar destas iniciativas terem tido um impacto positivo, ultimamente o fórum económico de Davos é "um reflexo do que acontece externamente", ou seja, "à medida que os números mudam [na indústria], [Davos] melhora também", disse Zahidi, citada pela Fortune.

O 46º Fórum Económico Mundial de Davos acontece de 20 a 23 de Janeiro e é dedicado à "quarta revolução industrial", tendo a inovação tecnológica no centro do debate.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub