Emprego Mais de 5.000 candidatos admitidos para 80 vagas na Inspeção do Trabalho

Mais de 5.000 candidatos admitidos para 80 vagas na Inspeção do Trabalho

A Autoridade para as condições do Trabalho (ACT) divulgou hoje a lista superior a 5.000 candidatos admitidos no concurso para 80 vagas de inspectores de trabalho, além de outros dois mil que ficaram excluídos.
Mais de 5.000 candidatos admitidos para 80 vagas na Inspeção do Trabalho
Bruno Simão
Lusa 12 de janeiro de 2018 às 13:57

Ao todo, candidataram-se àquelas 80 vagas, mais de 7.500 pessoas, tendo sido excluídas quase 2.400 por não possuírem nacionalidade portuguesa, habilitação legal e válida para conduzir veículos ligeiros, licenciatura na área da referência à qual se candidata, não ter apresentado documento comprovativo da licenciatura ou habilitação para conduzir veículos ligeiros e ainda por candidatura fora de prazo.

 

Dos 5.372 candidatos admitidos, a maior fatia (2.135) são da área de direito, economia (1.375) e engenharia (1.093), mas também se candidataram pessoas com habilitações nas áreas de metalurgia e metalomecânica, construção e engenharia civil, electricidade e electrotónica, gestão, contabilidade e fiscalidade, produção agrícola e animal, química e indústrias extractivas.

 

Este concurso foi lançado há um ano, em Dezembro de 2016, para preencher 80 vagas em vários pontos do país e diferentes áreas de especialidade, sendo Direito e Engenharia civil as duas áreas com maior número de vagas.

 

Estes 80 inspectores, que se candidataram em Dezembro do ano passado, vão juntar-se ao lote de 42 inspectores, contratados por concurso há cerca de dois anos ano e meio.

 

Nesse último mês do ano passado, a ACT fiscalizou mais de 1.100 empresas espalhadas pelo país, tendo detectado quase 1.000 situações irregulares, sobretudo ao nível dos horários de trabalho e registo do tempo de trabalho.

 

Estas acções inspectivas envolveram 196 inspectores que visitaram mais de 1.100 locais de trabalho espalhados por todo o país e abrangeram mais de 11 mil trabalhadores. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
pertinaz 13.01.2018

SINTOMÁTICO... SÓ UM CEGO NÃO VÊ QUE VAMOS A CAMINHO DO ABISMO...

General Ciresp 12.01.2018

Os primeiros a serem excluidos(2400) tinham area de serem radicais ficaram logo radicalizados,agora falta tirar os da direita e vao so sobrar familiares da gerigonca.Horrivel tentar tapar o sol com um crivo.

fa 12.01.2018

Candidatos para não fazer nada há aos milhares neste país, principalmente se for para ir ocupar um lugar no Estado. É ordenado garantido, não fazer nada, ADSE, ( ou seja os portugueses pagam as benesses) etc.

pub