Zona Euro Mais dois ministros franceses demitem-se

Mais dois ministros franceses demitem-se

Os ministros da Justiça e dos Assuntos Europeus de França, François Bayrou e Marielle de Sarnez, anunciaram esta quarta-feira a demissão dos seus cargos, um dia após a ministra da Defesa, Sylvie Goulard, ter também anunciado a saída.
Mais dois ministros franceses demitem-se
Reuters
Lusa 21 de junho de 2017 às 12:04

François Bayrou (na foto), que estava a preparar um projecto de lei para reformar a política, mas cujo partido é alvo de uma investigação, renunciou esta quarta-feira, 21 de Junho, para evitar comprometer o novo Governo do Presidente Emmanuel Macron, de acordo com os media franceses.

"Tomei a decisão de não fazer parte do próximo Governo", disse hoje à AFP François Bayrou, assegurando que esta decisão não lhe foi imposta.


Em seguida, uma fonte do partido Movimento Democrático (MoDem) anunciou que Marielle de Sarnez iria agora concentrar-se na presidência do grupo do seu partido na Assembleia Nacional.


As demissões de François Bayrou e da sua colega Marielle de Sarnez, ministra dos Assuntos Europeus, aconteceram um dia depois de a ministra da Defesa, Sylvie Goulard, se ter também demitido.


O ministro do Planeamento Urbano, Ricard Ferrand, também alegou conflitos de interesse e deixou o seu cargo no Governo há alguns dias.


As demissões surgiram horas antes do anúncio de uma remodelação planeada pelo Governo, que inicialmente deveria corresponder a ajustes e agora deverá promover uma mudança mais substancial.

Depois do seu sucesso nas legislativas, que decorreram no domingo e que lhe deram uma clara maioria, o chefe de Estado francês trabalhava para a remodelação ministerial.


De acordo com vários meios de comunicação, a renúncia surpresa na terça-feira da ministra da Defesa, Sylvie Goulard, que é suspeita de estar envolvida num caso de empregos fictícios no Parlamento Europeu, foi o anúncio da "reabilitação moral" que acabou por causar uma bola de neve.


O ministro da Justiça, um aliado fundamental de Macron, disse que a sua decisão de sair foi de "natureza pessoal", e a braço direito do Presidente, a ministra dos Assuntos Europeus, também decidiu sair do Governo.


Ambos estão também relacionados num inquérito judicial em curso contra o MoDem, que apoia Macron.


Ambos os ministros são pilares deste partido centrista, visado numa investigação preliminar aberta a 09 de Junho, após um parecer do Ministério Público. A investigação quer determinar se o partido pagou a colaboradores em França com contratos de assistentes parlamentares europeus destinado ao Parlamento europeu.

 

Os dois ministros correm o risco de ter de responder na justiça no quadro desta investigação aberta por "abuso de confiança", entre outras acusações.

Na terça-feira, Sylvie Goulard anunciou a sua demissão para "demonstrar livremente (a sua) boa-fé" diante de uma investigação sobre os empregos fictícios no MoDem, do qual é uma ex-filiada.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pinto 21.06.2017

Para quem acha que os novos partidos (Podemos, 5 stelle, BE, UKIP, Macron, Trump) são melhores que os antigos... Estes nem ao final do período de graça chegaram. Vira o disco e toca o mesmo.

pub