Justiça Mais um ex-presidente do INEM suspeito de corrupção

Mais um ex-presidente do INEM suspeito de corrupção

Paulo Campos, antigo presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica, foi um dos alvos de novas buscas que decorrem esta quinta-feira e constituído arguido, disse à Lusa fonte próxima do processo.
Mais um ex-presidente do INEM suspeito de corrupção
Negócios 15 de dezembro de 2016 às 11:50
O antigo presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), Paulo Campos, foi esta quinta-feira, 15 de Dezembro, constituido arguido por suspeitas de corrupção.

A informação foi confirmada à Lusa por fonte próxima do processo, no dia em que e casa do antigo dirigente foi alvo de buscas da Polícia Judiciária (PJ), no âmbito de suspeitas de favorecimento a empresas privadas no fornecimento de equipamentos para o INEM.

A notícia foi avançada pela TVI 24 e pelo Correio da Manhã. O jornal referia que em causa estão suspeitas de favorecimento a empresas privadas no âmbito do fornecimento de equipamentos ao instituto. A TVI 24 dizia que se trata da aquisição de ambulâncias e formação de técnicos.

As 20 buscas em curso visam as instalações de Lisboa, Porto e Vila Nova de Gaia do INEM e na empresa Futurvida em Albergaria a Velha, que equipou ambulâncias do instituto.

A Procuradoria-geral da República divulgou também, citada pela Lusa, que as várias buscas decorrem "no âmbito de um inquérito em que se recolhem indícios da prática dos crimes de corrupção activa e passiva, participação económica em negócio e abuso de poder".

"A investigação visa a actuação do responsável principal desse instituto, por factos indiciariamente praticados no exercício das suas funções públicas e com violação dos deveres inerentes", informa a PGR.

Na terça-feira, um outro antigo presidente do instituto, Luís Cunha Ribeiro, foi detido por suspeitas de corrupção no caso "máfia do sangue". As diligências desta quinta-feira não estarão relacionadas com as que levaram à detenção de Cunha Ribeiro, refere a TVI 24. Está esta quinta-feira a ser ouvido no tribunal.

Esta manhã a RTP e o Correio da Manhã tinham avançado que o instituto estava a ser alvo de novas buscas relacionadas com suspeitas de favorecimento a uma empresa por parte de um antigo director de serviços.

Correio da Manhã escrevia que se tratava do ex-responsável do Gabinete de Logística e Operação do instituto e que estarão em causa contratos de material de consumo médico, equipamento e prestação de serviços, havendo residências e sedes de empresas entre os locais inspeccionados.


Paulo Campos foi demitido a 15 de Fevereiro da presidência do INEM pelo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, depois de proposta da Inspecção Geral das Actividades em Saúde (IGAS), que analisou a actuação deste dirigente na alegada interferência que este terá tido no transporte de uma doente, em helicóptero do INEM, do Hospital de Cascais para o de Abrantes.


(Notícia actualizada às 12:53 com mais informações e constituição de Paulo Campos como arguido)



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.12.2016

Prendam os corruptos e mudem as leis que têm várias interpretaços .peguem nas leis e afundem-nas pacífico onde o mar tenha mais de 3000 metros de profundidade

Tudo uma vergonha 15.12.2016

Uma VERGONHA, deviam ter penas exemplares

Anónimo 15.12.2016

Se a justiça tivesse sido feita para ter uma única interpretação,esta gente dentro de pouco tempo estaria na prisão a dormir só com cuecas e os escritórios de advogados às moscas. Infelizmente para o POVO isso não acontece.A democracia em vigor só favorece VIGARISTAS, CORRUPTOS,LADRÕES.

pertinaz 15.12.2016

PAULO MACEDO, ENQUANTO MINISTRO DA SAÚDE, JÁ TINHA SUSPENDIDO ESTE PAULO CAMPOS

A ESCUMALHA É TODA A MESMA

ver mais comentários
pub