Américas Manifestações em várias cidades dos EUA contra eleição de Donald Trump

Manifestações em várias cidades dos EUA contra eleição de Donald Trump

Milhares de pessoas participaram esta noite em duas manifestações em Nova Iorque em protesto pela eleição de Donald Trump para Presidente dos Estados Unidos, com ambos os protestos a confluírem frente à torre com o nome do magnata.
Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump Fotogaleira: Manifestações contra eleição de Trump
Lusa Foto: Reuters 10 de Novembro de 2016 às 07:53

Os manifestantes, na sua maioria jovens, foram convocados por grupos sociais e políticos de esquerda.

 

Os manifestantes exibiram cartazes com lemas como "Não é o meu presidente" ("Not my president") ou "Parem Donald Trump ("Stop Donald Trump").

 

Iniciadas com centenas de pessoas, as duas marchas foram ganhando adeptos e terão concentrado cerca de 2.000 manifestantes em frente à Trump Towe, segundo os cálculos da imprensa local citados pela agência espanhola Efe.

 

A polícia estava a acompanhar as manifestações e, até às primeiras horas da noite em Nova Iorque, não reportou quaisquer distúrbios ou detidos.

 

Manifestações idênticas foram registadas noutras cidades norte-americanas, como Chicago, Boston ou Filadélfia, informou a AP, com as autoridades a descreverem protestos na sua maioria pacíficos.

 

Em Austin, no Texas, centenas de estudantes da Texas University caminharam nas ruas e bloquearam temporariamente uma ponte.

 

Em frente ao Trump International Hotel, em Washington D.C., também foram observados protestos, com manifestantes a empunharem cartazes e a entoarem 'slogans' contra a eleição do magnata.

 

Estações de televisão locais mostraram imagens de um protesto pacífico em frente ao novo hotel. Muitos cantavam  "Não EUA racista, Não Trump, não Klu Klux Klan" ("No racist USA, no Trump, no KKK").

 

Outro grupo juntou-se no exterior da Casa Branca, com velas, a ouvir discursos e a cantar canções.

 

Horas antes, manifestantes na American University, também na capital norte-americana, queimaram bandeiras dos Estados Unidos no campus universitário.

 

No Oregon, dezenas de pessoas bloquearam o trânsito na baixa de Portland, queimaram bandeiras norte-americanas e causaram atrasos nos comboios. Na mesma cidade, um apoiante solitário de Trump foi perseguido e atingido por um 'skate' nas costas.

 

Protestos foram também reportados em universidades na Califórnia e Connecticut, enquanto várias centenas de pessoas saíram à rua em São Francisco e outros reuniram-se no exterior do 'City Hall' (câmara) em Los Angeles.

 

O único incidente de violência de maior dimensão foi reportado em Oakland, Califórnia, com alguns manifestantes a atearem fogo a caixotes de lixo, a partirem vidros e a 'grafitarem' negócios locais na baixa, informou a polícia. Não foram realizadas detenções.

 

Donald Trump vai ser o 45.º Presidente dos Estados Unidos depois de vencer a candidata do partido democrata, Hillary Clinton, nas eleições presidenciais disputadas na terça-feira.

 

Trump conquistou 289 mandatos eleitorais, contra 218 de Clinton, ultrapassando os 270 mandatos necessários para vencer a eleição.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub