Economia Mapa: Os municípios mais afectados por grandes incêndios nos últimos anos  

Mapa: Os municípios mais afectados por grandes incêndios nos últimos anos  

Pedrogão Grande não tinha sido, desde 2009, afectado por incêndios com duração superior a 24 horas. Paredes foi o mais fustigado no ano passado. Veja o mapa dos grandes incêndios ao longo dos últimos anos.
Nuno Carregueiro 19 de junho de 2017 às 15:02

Paredes foi o município português mais penalizado por grandes incêndios no ano passado, com um total de 27 incêndios florestais com duração superior a 24 horas.

 

De seguida surgem os concelhos vizinhos de Gondomar (16) e Santo Tirso (15), sendo que no ano passado foram claramente os municípios do Norte do país os mais penalizados por grandes incêndios. Segue-se a Beira Interior e algumas regiões do centro e do sul do país.

 

São estas as conclusões dos dados publicados pelo INE na semana passada e que podem ser visíveis no mapa em cima.

 

O instituto contabilizou um total de 427 incêndios florestais com duração superior a 24 horas em Portugal Continental no ano passado. Um número muito superior ao registado nos anos anteriores: 73 em 2015, 17 em 2014 e 172 em 2013.

 

Pedrógão Grande, município onde este fim-de-semana um grande incêndio provocou mais de 60 vítimas mortais, tinha escapado até agora aos incêndios com duração superior a 24 horas. Desde 2009 que neste município não tinha ocorrido nenhum grande incêndio.

 

O mesmo não se pode dizer dos conselhos vizinhos que também estão a ser fustigados por incêndios. Em Sertã decorreram 11 o ano passado e em Figueiró dos Vinhos dois.

 

Como ler o mapa: Ao passar o cursor pelos vários municípios, vê o número de incêndios com duração superior a 24 horas relativo ao período mais recente (neste caso 2016). Ao seleccionar um município, vê o gráfico  da evolução do número de incêndios ao longo dos períodos mais recentes (neste caso anos). Pode ainda alterar a legenda, para ver apenas os municípios que apresentam valores para o intervalo definido. Para isso tem que arrastar o cursor, que se situa a vermelho na parte inferior da legenda.

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 21.06.2017

A CGD só tem lá 2000 excedentários pagos com o seu peso em ouro, salários e prestações sociais incluídas, que só agora foram "detectados" porque a UE alertou a gestão da organização para o facto começando finalmente a fazer-se luz. Mas vai ser tarde demais e factura é gigantesca porque a factura do excedentarismo é gigantesca e acarreta custos de oportunidade colossais. Faça-se luz noutras organizações também ou ainda morre muito mais gente em Portugal de forma totalmente absurda e perfeitamente evitável.

ze 19.06.2017

É tudo no norte, não há problema !

joaoduarte 19.06.2017

Os Tugas comentadores que vão ver as estatísticas de incêndios só em dois países "atrasados": EUA e Austrália.

Mr.Tuga 19.06.2017

Incêndios o espelho deste sitio atrasado pestilento mal formado e muito mal frequentado!
Em nenhum outro pais do MUNDO isto acontece!
Os politioqueiuros deveriam borrar a cara de VERGONHA!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub