Conjuntura Mapa: previsões de Bruxelas colocam Portugal na cauda do crescimento europeu

Mapa: previsões de Bruxelas colocam Portugal na cauda do crescimento europeu

A revisão em alta das estimativas da Comissão Europeia para o crescimento do PIB de Portugal não foi suficiente para retirar a economia portuguesa do lote das que menos crescem na Zona Euro

Bruxelas estima que o PIB de Portugal vai crescer 1,6% este ano, o que até supera a projecção do Governo de António Costa, que aponta para uma expansão de 1,5%. Contudo, este é o quinto valor mais reduzido entre todos os países do Euro, só acima das estimativas para Itália, Finlândia, França e Bélgica.

 

As previsões da Comissão Europeia, publicadas na segunda-feira, 13 de Fevereiro, colocam Portugal a crescer em linha com a Alemanha e a Áustria. E também com a Zona Euro, o que já não acontecerá em 2018.

 

As previsões de Inverno de Bruxelas colocam Portugal a abrandar para 1,5%, o que compara com os 1,8% estimados para a Zona Euro. A economia portuguesa, a confirmarem-se estas estimativas, será mesmo a segunda economia da Zona Euro com pior desempenho no próximo ano, sendo que só a Itália fará pior (1,1%).

 

Bruxelas destaca no seu relatório que pela primeira vez em quase uma década está a estimar variações positivas no PIB de todos os países da UE para o período das projecções (2016 a 2018). Para o último ano a previsão é ainda mais optimista, já que todos os países vão crescer mais de 1%.

 

Se Portugal continuará na cauda da Europa no que diz respeito ao crescimento, há outros países que permanecem no topo.  É o caso do Luxemburgo, Malta e Irlanda, que vão crescer sempre mais de 3% este ano e em 2018.

 

No mapa em baixo pode encontrar as projecções para todos os países do euro, para quatro indicadores: variação do PIB, taxa de desemprego, dívida pública e saldo orçamental, para 2017 e 2018.


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bento20 14.02.2017

É verdade, sempre fomos gajos baixotes. Não admira porque comemos muita truta, sardinha e bacalhau.

Anónimo 14.02.2017

Enquanto Portugal não apostar forte na produção dos biocombustiveis, á semelhança como fez com as energias renovaveis, não vamos conseguir vencer.

Uma notícia digna de figurar no Negócios 14.02.2017

Ai está : uma notícia digna de figurar no Negócios, sob a direcção de Raúl Vaz e devidamente assinada por três dos seus colaboradores mais obedientes, ideologicamente falando.

ahah 14.02.2017

Título de noticia tendencioso (mentiroso), atras de Portugal estão só: Italia França Belgica Finlândia e ao mesmo nível só Alemanha, Austria, ou seja 70% da economia da zona euro. "Gandes jornalistas"....

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub