Ambiente Mapa: Quais as oito albufeiras onde o Governo vai intervir

Mapa: Quais as oito albufeiras onde o Governo vai intervir

Conheça os alvos do Programa de Intervenções a Curto Prazo em Albufeiras, onde durante o ano de 2018 vão ser investidos perto de 3,5 milhões de euros.

António Larguesa 24 de janeiro de 2018 às 17:58

O Governo vai investir 3,5 milhões de euros num programa de intervenções para aumentar a capacidade de armazenamento e melhorar a qualidade da água de oito albufeiras de Norte a Sul do país, que servem para abastecimento público e rega. "Uma parcela significativa" do investimento total vai ser financiada através do Fundo Ambiental.

 

A partir de Março, as intervenções vão ser feitas em três albufeiras da Região Hidrográfica do Alentejo, em três do Tejo e em duas do Norte. O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, disse que "não são medidas de emergência" para combater a seca, mas para a "preparação da próxima época de estio, [que] pode ser preocupante".

 

Do investimento total previsto no programa, 2,3 milhões de euros vão servir para nove intervenções de limpeza e 1,2 milhões de euros para uma empreitada de alteamento que aumentará de 3,2 para 4,2 hectómetros cúbicos a capacidade da albufeira de Pretarouca, em Lamego, onde serão também instaladas comportas no descarregador de cheias.

 

Em declarações aos jornalistas, citadas pela Lusa, o ministro do Ambiente apontou que "o problema da seca [já] está bastante minimizado, mas isso não se pode, em situação alguma, dizer-se para o país todo". Houve "uma recuperação imensa numa zona vasta do país, de maneira geral a Norte do rio Tejo", mas é "muito evidente" a situação ainda "difícil" no Sul, exceptuando o Algarve. "Por isso, a frase de ordem é e será sempre a mesma: poupar água", advertiu Matos Fernandes.






A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 2 horas

Entao os incendios queixaram-se q a agua nao era de boa qualidade?Isto vai ca uma esquesitice do caralhi.

Anónimo Há 3 horas

Que grande notícia! 3,5 milhões de euros a dividir por oito barragens, dá menos de 400 mil eutros por barragem!. Devem ser grandes obras! Há portugueses que compram casas por 400 mil euros e nalgumas cidades (Lisboa e Porto) nem devem ser casas muito luxuosas nem muito grandes!

pub