Política Marcelo: "A política clássica, longe das pessoas e sem inovação, está condenada"

Marcelo: "A política clássica, longe das pessoas e sem inovação, está condenada"

O Presidente da República declarou esta segunda-feira que "a política clássica, longe das pessoas, ignorando a sociedade, sem inovação, está condenada" e lançou um apelo aos responsáveis políticos para que inovem e façam progredir os sistemas políticos.
Marcelo: "A política clássica, longe das pessoas e sem inovação, está condenada"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 27 de novembro de 2017 às 23:21

Marcelo Rebelo de Sousa deixou esta mensagem numa intervenção na conferência "Novas Perspectivas para a Inovação Social", que decorre hoje e terça-feira na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, co organizada por aquela instituição, pela Comissão Europeia e pelo Governo português.

 

O chefe de Estado começou por falar da situação europeia, considerando que a Europa se encontra "numa encruzilhada", com "sistemas políticos em crise" de forma generalizada e tem de apostar na inovação se quer "liderar o futuro" em termos globais.

 

Segundo o Presidente da República, no actual quadro europeu, "Portugal é um raro exemplo de estabilidade no sistema político" e o que predomina são casos de "fragilidade dos sistemas políticos, porque não souberam inovar".

 

Neste contexto, afirmou: "A inovação social tem de chegar à política. Não é possível que haja jovens a inovar na Educação, na Ciência, na Saúde, nas instituições sociais e os sistemas políticos continuem obsoletos, ultrapassados, incapazes de inovação".

 

No seu entender, "os partidos, os sindicatos, o patronato, estruturas administrativas não são capazes, não só de inovar, como até de se ajustar à inovação da sociedade, e isso frustra os inovadores". "E esse é um grande desafio. Esse é um apelo que faço a mim mesmo, todos os dias, mas que devemos fazer a todos os que têm responsabilidades políticas: mais inovação", acrescentou.

 

Mais à frente, a propósito da sua experiência quando era jovem e acompanhou o actual secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em "grupos de inovação social nas áreas pobres", o chefe de Estado defendeu que "a política clássica, longe das pessoas, ignorando a sociedade, sem inovação, está condenada".

 

"O que mais realiza uma pessoa na vida é ser feliz tornando os outros felizes. É realizar-se através dos outros e pelos outros. E essa é a grande lição da inovação social", prosseguiu, recebendo palmas.

 

Dirigindo-se aos "mais distraídos", Marcelo Rebelo de Sousa afirmou ainda que "as pessoas, os seus problemas concretos" são "muitíssimo mais importantes" do que a Economia, as Finanças, o Direito ou a Política, são o que justifica tudo isso. "Se falharmos na inovação social, falhámos no essencial, mas não vamos falhar, vamos vencer esta batalha", concluiu.

 

Na parte inicial do seu discurso, o Presidente da República disse acompanhar "o entusiasmo do Governo" com a inovação em domínios como a Educação, a Saúde ou a Solidariedade Social e felicitou-o e agradeceu-lhe pela sua acção nesta matéria, mas considerou que esta já era uma aposta do anterior executivo PSD/CDS-PP.

 

"Passou de Governo para Governo e é um bom exemplo, porque é uma questão de regime, é uma escolha nacional", declarou, agradecendo também à Comissão Europeia, e em especial ao comissário Carlos Moedas, pela prioridade dada à chamada inovação social.

 

O Presidente da República sustentou, contudo, que "a cultura cívica dominante ainda é a cultura da inércia, do atraso, do adiamento, do ajustamento difícil, a cultura anti-reformista", apesar de Portugal estar "nos 'rankings' da inovação, subindo todos os dias". "Não podemos parar. Temos de ir mais depressa", pediu.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Criador de Touros Há 1 semana

O que não tem qualquer interesse é a política dos beijos e abraços com selfies à mistura, dando ao mesmo tempo apoio a este governo de esquerda que não consegue tirar Portugal do pântano, nem consegue puxar pelo mercado de capitais.Tudo muito fraquinho, políticos sem qualquer interesse. Venha o Santana para dar mais ânimo aos investidores. Venha a mudança.

Sonso Há 2 semanas

Vai lá dar beijinhos e mergulhonhos mas com a Tv a filmar

Alberto Sousa Há 2 semanas

Sábias palavras, As do nosso Presidente da Républica. Inovação é precisa como do pão para a boca. Sem inovação estamos estagnados, e caminhamos para o declinio. que se acentua a cada crise, como verificamos todos os dias, em plena Assembleia. Desta maneira, nunca iremos levar a carta a garcia.

AA Há 2 semanas

"A POLÍTICA CLÁSSICA, LONGE DAS PESSOAS" ESTE TIPO NÃO SABE O QUE DIZ. A VERDADEIRA POLÍTICA SEMPRE ESTEVE PRÓXIMA DAS PESSOAS, ALIÁS, A POLÍTICA SÓ EXISTE PARA SERVIR AS PESSOAS. O QUE ELE QUER DIZER É EM PORTUGAL, ONDE HÁ 40 ANOS SOMOS GOVERNADOS POR CRIMINOSOS QUE NÃO QUEREM SABER DAS PESSOAS.

pub