Finanças Públicas Marcelo adverte que "não se pode agora adormecer à sombra da bananeira"

Marcelo adverte que "não se pode agora adormecer à sombra da bananeira"

O Presidente da República saudou hoje novamente o anterior e o actual governo pelo encerramento do Procedimento por Défice Excessivo (PDE), mas advertiu que "não se pode agora" cometer o erro de "adormecer à sombra da bananeira".
Marcelo adverte que "não se pode agora adormecer à sombra da bananeira"
Bruno Simão
Lusa 16 de junho de 2017 às 17:56

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa "é compreensível que haja o cumprimento de promessas governativas e até de entendimentos existentes na maioria parlamentar de apoio" no Orçamento do Estado para 2018 que se traduzam "num desafogo fiscal e nalgumas vantagens sociais para um número considerável de portugueses".

 

O chefe de Estado, que falava no final de uma visita à associação Abraço, em Lisboa, acrescentou, contudo: "Não se pode agora fazer aquilo que muitas vezes é um erro nacional, que é adormecer à sombra da bananeira, considerar que está adquirido o que demorou cinco anos e meio a obter e, por uma precipitação, por um excesso, por uma falta de linha orientadora, questionar aquilo que é fundamental".

 

O Presidente da República ressalvou que "o primeiro-ministro tem dito isso, e o ministro das Finanças tem dito isso", que "há um caminho a continuar, e esse caminho é, sem dúvida, crescimento da economia, emprego, justiça social", mas com "controlo do défice e, sobretudo, redução progressiva da dívida pública - isso é muito importante".

 

"Agora, não se pode passar de oito para oitenta, sob pena de comprometer aquilo que é um caminho que deu muito trabalho, não foi ao Governo A ou ao Governo B - aliás, os dois governos, cada qual, à sua maneira, tiveram mérito -, mas foi sobretudo mérito das portuguesas e dos portugueses", reforçou. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.06.2017

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal: "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/

comentários mais recentes
Anónimo 16.06.2017

As reformas pararam e o despesismo com salários injustificáveis e futuras pensões disparou, iniciando a contagem decrescente para o próximo resgate à República. O engano ou ilusão que se viveu entre 2005 e 2010 está a ser minuciosamente replicado pelo novo governo socialista. Não tenhamos dúvidas disto. Portugal julga-se imune à quarta revolução industrial e mais uma vez opta por não participar nela ou não se adaptar a ela julgando ser possível viver como economia de elevado rendimento usando o paradigma do funcionalismo público excedentário alavancado pelo crédito bancário e tendo uma fé inabalável no turismo.

jose almeida 16.06.2017

A sombra da bananeira conduz-nos fatalmente à estagnação.

MKT VENDE MKT COMPRA PALHAÇADA NO BCP 16.06.2017

MAS QUE RAIO É ISTO NAS COMPRAS E VENDAS HOJE DO MILENIUM BCP e PELO QUE ME APERCEBI HAVIA COMPRADORES A 0.25 e 0.26 MKT COMPRA 8 MILHÕES MKT VENDE 8 MILHÕES ISTO NOS ULTIMOS SEGUNDOS DE TRANSAÇÃO então e a CMVM está a DORMIR

Anónimo 16.06.2017

Muita gente ainda não percebeu que qualquer território, pequeno, médio ou grande, rico, remediado ou pobre, vai inevitavelmente à falência quando à organização falida é atribuído subsídio para que aquela vá adiando a declaração de falência, ao posto de trabalho desnecessário ou desadequado é conferida protecção legal para que não seja extinto, ao pensionista de hoje é dado tudo mesmo que quem faça a dádiva saiba que nada sobrará para os de amanhã e ao governante irresponsável e populista é dado o poder absoluto.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub