Política Marcelo afirma que lhe cabe fazer pressão sobre Governo embora ele e Costa se completem

Marcelo afirma que lhe cabe fazer pressão sobre Governo embora ele e Costa se completem

O Presidente da República defendeu hoje que lhe cabe fazer pressão para acelerar os trabalhos de reconstrução nas zonas devastadas pelos incêndios, mas considerou que ele e o primeiro-ministro se completam no acompanhamento do processo.
A carregar o vídeo ...
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (E), conversa com uma popular durante a 29.ª Festa de Natal da Comunidade Vida e Paz, na cantina da Cidade Universitária de Lisboa.
Lusa 17 de dezembro de 2017 às 16:20

Marcelo Rebelo de Sousa assumiu estas posições em declarações aos jornalistas, antes de participar no tradicional almoço de Natal da Comunidade Vida e Paz, na cantina da Universidade de Lisboa.

 

Os jornalistas confrontaram o chefe de Estado com uma declaração feita pelo primeiro-ministro, António Costa, no sábado, segundo a qual só com um optimismo exagerado se poderia acreditar que as habitações devastadas pelo incêndio de Junho em Pedrógão Grande estariam todas reconstruídas antes do Natal deste ano.

 

Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que cabe ao Presidente da República, "permanentemente, fazer pressão para que seja mais rápido".

 

"Mas o Presidente [da República] reconhece que aquilo que tem sido feito, quer a nível local, quer a nível nacional sobretudo pelo Governo, tem sido feito em tempo recorde para a nossa habitual prática. Há um esforço conjunto - e neste tempo de Natal devemos pôr acento tónico naquilo que nos aproxima e não naquilo que nos divide", advertiu.

 

Neste ponto, Marcelo Rebelo de Sousa insistiu no recado que o Natal deve ser "espírito de convergência e não de dissonância ou de divergência".

 

"Esse espírito é muito importante sobretudo na reconstrução, mas não apenas em Pedrógão Grande e concelhos vizinhos, porque outros municípios também foram atingidos em Outubro. Temos de remar na mesma direcção: Presidente da República, Governo, autarquias, instituições de solidariedade social, empresas ou, desde logo, a Associação dos Familiares das Vítimas do Incêndios de Pedrógão Grande", disse.

 

Ainda sobre o processo de reconstrução das áreas atingidas pelos incêndios, o Presidente da República dividiu funções e responsabilidades entre órgãos de soberania e diferentes entidades públicas ou privadas.

 

"Cada um faz aquilo que pode fazer no seu campo de intervenção e cabe ao Presidente da República o magistério de chamar a atenção, fazendo pressão e estando próximo em termos de afecto daquilo que também existe. Não é só reconstruir as casas, mas também reconstruir as almas", sustentou.

 

Em relação ao Governo, o chefe de Estado advogou que lhe cabe sobretudo a tarefa de "reconstruir empresas, casas e outros bens materiais essenciais para a vida das comunidades".

 

"Depois, as autarquias e as empresas contribuem. Portanto, estamos juntos", afirmou em jeito de conclusão.

 

Mas Marcelo Rebelo de Sousa foi ainda mais longe neste ponto relativo ao acompanhamento dos trabalhos de reconstrução das áreas devastadas pelos incêndios de Junho e Outubro deste ano.

 

"No fundo, nós completamo-nos", disse, referindo-se aqui especificamente a António Costa. E explicou porquê:

 

"O primeiro-ministro está agora neste fim-de-semana [nas regiões atingidas pelos fogos]. Depois, o Governo organiza - e bem - um concerto na quinta-feira e, em seguida, estarei eu, nos fins-de-semana seguintes. Não estamos ao mesmo tempo e assim prolongamos a presença ao longo praticamente de três fins-de-semana", justificou.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

Todos "dizem" que desvalorizam as sondagens, mas quando aparecem la vem a "correçao de trajectoria". E se o PS apesar de tudo tiver uma maioia absoluta? Vai o 2º mandato "de vela" ? Portas e Mendes, comecem a acelerar.....

asdf Há 4 dias

E não lhe cabe também fazer pressão sobre a PGR para reabrir o caso Tecnoforma, com foi sugerido pelos alemães? Os 6,7 milhões que voaram não têm importância? Ou será que os abraços e beijinhos não lhe deixam tempo disponível?

obamaneiro! Há 4 dias

Ao comentador mais votado de há 1 hora: vá contar "estórias" da carochinha para outro lado e vá curar a azia com sumo de limão - verá que lhe passa! ou então vá trabalhar e tratar de vida. Nem mais.

Para além das casas Marcelo, tambem Há 4 dias

quer reconstruir as almas. Não sabia desta virtude eclesiástica de Marcelo. O que ele não diz é se vai dar prazos apertados ao governo ou se é ele que assume tal tarefa. Tem sido assim que alguns "ditadores" começam. Salvar o País, o povo e por fim, salvar as almas, ou ainda. rezar pelas mesmas.

ver mais comentários
pub