Economia Marcelo alerta que época de fogos definida "deixou de ter razão de ser"

Marcelo alerta que época de fogos definida "deixou de ter razão de ser"

O Presidente da República disse hoje que a questão do voluntarismo na Protecção Civil vai ser discutida no Conselho de Ministro de sábado e alertou que a existência de época de incêndios definida "deixou de ter razão de ser".
Marcelo alerta que época de fogos definida "deixou de ter razão de ser"
Lusa 20 de outubro de 2017 às 13:14

Em Nelas, no distrito de Viseu, no âmbito de um conjunto de visitas que está a realizar após os incêndios do fim-de-semana, que mataram pelo menos 43 pessoas, Marcelo Rebelo de Sousa agradeceu o trabalho dos bombeiros e lembrou que estas pessoas, que são na sua maioria voluntários, desempenham missões ao longo de todo o ano.

"Agradecer, em nome de todos os portugueses. É muito importante aqui estar. As pessoas lembram-se deles nestas alturas [de incêndios], mas eles existem todo o ano, em outras missões. Infelizmente, há outros problemas, que não são só no verão, são também no inverno. E mesmo a ideia de que há um período de incêndios já deixou de ter razão de ser, como acabámos de verificar neste fim-de-semana", alertou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República disse também ter a certeza que todas as autoridades "estão atentas aos seus problemas [dos bombeiros], às suas necessidades, ao seu estatuto e àquilo que é preciso fazer para os incentivar e criar melhores condições para cumprirem a sua missão", que "é uma missão insubstituível".

Questionado sobre o facto de a Protecção Civil estar assente no voluntarismo, Marcelo Rebelo de Sousa remeteu para o Conselho de Ministro extraordinário de sábado.

"Tenho a certeza que o Conselho de Ministro, com o Governo já com os dados disponíveis [de vários relatórios], e conhecendo como eu conheço, como os autarcas conhecem, o tipo de desafios que se colocam em termos de Protecção Civil aos bombeiros, quer em intervenções urbanas, quer na floresta e que se ligam muitas vezes, quer noutras intervenções, tenho a certeza que isso vai ser tratado no Conselho de Ministros".

Marcelo Rebelo de Sousa deve ainda hoje visitar os concelhos de Seia e de Carregal do Sal.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bela Há 4 semanas

Então se sabes disso nde devias de ter sido tão duro com o governo. Se sabes disso que já n há datas definidas estestogos foram imprevisiveis e com as burradas feitas pelos governos anteriores o Costa pouco podia fazer. Desculpas são fáceis de pedir agora falar de responsabilidades e ter humildade..

Anónimo Há 4 semanas

A nova Proteção Civil deve ter uma estrutura militar, com fortes ligações diretas com as Forças de Segurança e Bombeiros. Existe muita gente em fazer parte da Proteção Civil, com regime de voluntariado. É preciso fazer o corpo a começar pelos Concelhos.

Tone Há 4 semanas

Portanto...foram necessários 100+ mortos para os inteligentes dos políticos e amigos chegarem a essa conclusão...negócios dos fogos tem sangue nas mãos...

pub