Europa Marcelo ao FT: Relaxar regras orçamentais da UE não é prioridade

Marcelo ao FT: Relaxar regras orçamentais da UE não é prioridade

O Presidente da República disse ao jornal britânico que a União Europeia deve focar-se no Brexit e na migração.
Marcelo ao FT: Relaxar regras orçamentais da UE não é prioridade
Bruno Simão/Negócios
Nuno Carregueiro 21 de Novembro de 2016 às 10:32

Relaxar as regras orçamentais na União Europeia, com uma menor dose de austeridade, não deve ser uma prioridade nesta altura, pois a Europa tem assuntos mais urgentes para tratar.

 

A opinião é de Marcelo Rebelo de Sousa e foi dada ao Financial Times. "O primeiro desafio [da União Europeia] é encontrar políticas comuns nestes dois temas [migração e Brexit]. Na política temos que ter prioridades e não penso que ajudaria Portugal dizer que quer um debate agora com os outros estados-membros sobre um ponto que é muito sensível para muitos deles", disse o Presidente da República em entrevista ao Financial Times.    

 

Marcelo desaconselha assim que o Governo português introduza nesta altura no debate europeu uma alteração às regras orçamentais da região. Isto porque a discussão não seria bem aceite dentro da UE, que diz ter assuntos mais urgentes para resolver.

 

Para o Presidente da República, são eles as questões relacionadas com a migração, refugiados e segurança interna e por outro lado o Brexit.

 

Afirmando que "está fora de questão" Portugal necessitar de um segundo resgate, Marcelo Rebelo de Sousa deixou um pedido a Theresa May. "Quando se decide que vai sair de uma comunidade a que pertence, as pessoas dessa comunidade esperam que diga: ‘Vou sair’ …", afirmou o Presidente da República, apelando que o Reino Unido formalize o quanto antes a saída da União Europeia para que se iniciem as negociações.

 

Sobre a vitória de Trump nas eleições, Marcelo acredita que o presidente eleito dos Estados Unidos reconhece a necessidade de uma União Europeia forte, bem como da NATO.

 

"Não acreditamos que seja bom para o mundo ter uma União Europeia fraca. Não é bom do ponto de vista político, estratégico, económico e financeiro", disse Marcelo, acrescentando: "penso que qualquer presidente dos Estados Unidos reconhece que é bom para o mundo e para os Estados Unidos ter uma Europa forte".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub