Política Marcelo aponta "estabilidade política e legislaturas cumpridas" como condições para Portugal avançar

Marcelo aponta "estabilidade política e legislaturas cumpridas" como condições para Portugal avançar

O Presidente da República defendeu hoje que "estabilidade política e legislaturas cumpridas", a par de entendimentos de regime mas também alternativas de governação, são condições para que Portugal possa cumprir os seus desafios num futuro próximo.
Marcelo aponta "estabilidade política e legislaturas cumpridas" como condições para Portugal avançar
Lusa
Lusa 06 de fevereiro de 2018 às 16:54

Numa conferência sobre o sector da banca, Marcelo Rebelo de Sousa fez um balanço da situação das finanças públicas desde que o actual Governo do PS entrou em funções e enumerou os desafios mais simples e mais complexos que o país enfrenta num futuro próximo, elencando as condições necessárias para que todos possam ser ultrapassados.

 

"Simples e complexos requererão: estabilidade política, legislaturas cumpridas, governos fortes, oposições igualmente fortes para poderem estar presentes nas escolhas decisivas dos portugueses, diálogos e entendimentos nas verdadeiras questões de regime mas alternativas marcadas na governação, credibilidade dos partidos políticos, representação e capacidade de diálogo com os parceiros sociais, respeitabilidade e confiança nas instituições incumbidas das missões de soberania", apontou.

 

Para o chefe de Estado, o seu papel será garantir que "a política ajudará a economia, as finanças e a justiça social".

 

"Assim fará, convicto de que, a manterem-se os dados mundiais e europeus, Portugal pode dispor de "uma oportunidade única para se afirmar, virando definitivamente a página de crises endémicas, dos adiamentos, dos conjunturalismos, das soluções para o imediato".

 

Entre os desafios mais complexos, o Presidente da República incluiu a garantia de que "fenómenos de contestação inorgânica não destabilizem o ambiente social".

 

"Ir mais longe nos incentivos à iniciativa privada, muito timidamente tratados no Orçamento do Estado para 2018, atender áreas públicas cuja disfunção pode arrasar ou questionar o processo em curso, e não dar sinais, mesmo se pontuais, errados ou perturbadores a um processo com evidente juízo favorável externo", apontou como restantes desafios complexos, sem especificar em concreto a que áreas se referia.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 1 semana

Ate posso estar enganado:o caso LEX prendeu o selfie tripa mais tempo em casa.Desafogou qualquer coizita com o levantar da queixa sobre o deficiti mas ainda nao esta de todo a vontade.Pensei q ia dizer alguma coisa sobre o puxao de orelhas q o BEIZOQUEIRO do Luxemburgo deu ao deficiti,mas nao.

Anónimo Há 1 semana

Estabilidade politica, so` com tachos para todos da esquerda; caso contrario havera` barulho incontrolavel.

Anónimo Há 1 semana

Serão mais 6 anos de governação Costa portanto deverá haver estabilidade até lá...

Depois disso veremos...

Este é cjamfrado... Há 1 semana

...em vez de promover a redução do n° d deputados tal como está na Constituição e d juizes do TC d 13 p/5,etc, anda a dozer baboseiras.

pub