União Europeia Marcelo comenta referendo em Itália: não está em causa a União Europeia

Marcelo comenta referendo em Itália: não está em causa a União Europeia

Na primeira reacção do Presidente ao referendo italiano, Marcelo Rebelo de Sousa diz estar confiante que Itália vai reafirmar, em futuras eleições, a sua vontade de continuar um grande país europeu.
Marcelo comenta referendo em Itália: não está em causa a União Europeia
Miguel Baltazar
Lusa 05 de dezembro de 2016 às 10:40
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira, 5 de Dezembro, estar convicto de que Itália "reafirme a vontade" de continuar a ser um "grande país europeu", apesar da vitória do 'não' no referendo à reforma constitucional.

Marcelo Rebelo de Sousa vincou a sua "esperança" e "convicção" de que nas eleições "a existir no ano que vem se reafirme a vontade da Itália continuar um grande país europeu, um país fundador da Europa, um país muito forte na Europa".

O Presidente da República falava aos jornalistas em Castelo Branco, reagindo à vitória do 'não' à reforma constitucional proposta pelo primeiro-ministro, Matteo Renzi, que vai apresentar a sua demissão face ao resultado.

O chefe de Estado sublinhou que não estava em causa a União Europeia no referendo italiano, mas sim "uma reforma constitucional".

O povo italiano foi questionado sobre "mudar ou não o sistema político" do seu país e disse "soberanamente" que não quer mudar.

"Não disse: 'queremos sair do Euro, queremos sair da Europa'", frisou.

A reforma de Renzi foi apoiada por 40,05% dos eleitores que foram votar.

Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa comentou também as eleições de domingo na Áustria, que deram a vitória a Alexander Van der Bellen.

"Já tive ocasião de felicitar o novo presidente austríaco e vejo com felicidade a vitória daquilo que pode ser considerada uma vitória da Europa", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, que falava no arranque da terceira edição da iniciativa presidencial "Portugal Próximo".

Van der Bellen, 72 anos, venceu as eleições presidenciais austríacas, derrotando o candidato da extrema-direita Norbert Hofer.

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JCG 05.12.2016

Os portugueses não elegeram um Presidente da Républica: elegeram um comentador. Não sei se também já é comendador dos comentários. Se ainda não fôr, um dia destes condecora-se a ele mesmo.
Bom, também podemos vêr a coisa de outro ângulo: Marcelo é uma espécie de novo Fernando Pessoa - com vários heterónimos. Afinal o homem tem mais vidas que os outros porque não perdem tempo a dormir.

pub
pub
pub
pub