Américas Marcelo considera difícil e insensato comentar já a administração de Trump

Marcelo considera difícil e insensato comentar já a administração de Trump

"Estar a comentar uma nova administração cinco dias depois da tomada de posse é muito difícil," argumentou Marcelo Rebelo de Sousa. "E é mesmo insensato estar a fazer comentários definitivos sobre uma realidade que começa a afirmar-se."
Marcelo considera difícil e insensato comentar já a administração de Trump
Bruno Simão
Lusa 25 de janeiro de 2017 às 13:58
O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou hoje que "é muito difícil e é mesmo insensato" estar já a fazer comentários definitivos sobre a nova administração norte-americana chefiada por Donald Trump.

Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre o novo Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, durante uma conferência de imprensa conjunta com o Presidente da Sérvia, Tomislav Nikolic, que hoje iniciou uma visita de Estado de dois dias a Portugal.

Enquanto Tomislav Nikolic manifestou expectativa numa melhoria das relações entre os Estados Unidos e a Sérvia, o chefe de Estado português não quis fazer quaisquer comentários, argumentando: "Estar a comentar uma nova administração cinco dias depois da tomada de posse é muito difícil".

"E é mesmo insensato estar a fazer comentários definitivos sobre uma realidade que começa a afirmar-se", acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta aos jornalistas, na Sala das Bicas do Palácio de Belém, em Lisboa.

O Presidente português reafirmou que Portugal e os Estados Unidos têm "uma relação histórica muito boa" e defendeu que "mudam os presidentes, mas não muda essa amizade".

"Fomos o primeiro Estado neutral a reconhecer a independência dos Estados Unidos da América. Portanto, é uma amizade muito antiga, traduzida numa forte comunidade portuguesa e lusodescendente nos Estados Unidos da América", referiu.

Por outro lado, Marcelo Rebelo de Sousa disse acreditar que "há hoje no mundo um apelo que toca a todos os estados, no sentido da construção da paz, da segurança, do respeito dos direitos das pessoas".

"Esse foi o apelo do novo secretário-geral das Nações Unidas, que por acaso, um bom acaso, é português, António Guterres. Em qualquer caso, é um bom apelo. E tudo o que na nova administração norte-americana for no sentido desse apelo é uma boa notícia", concluiu.

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 25.01.2017

Olha; essa e nova; os media sabem tudo ate antes do acontessimento!

comentários mais recentes
Anónimo 25.01.2017

Olha; essa e nova; os media sabem tudo ate antes do acontessimento!

fern barreira 25.01.2017

ou esse tuga mentiou ou dados historicos tao errados,
https://history.state.gov/about/faq/first-to-recognize-US

juato 25.01.2017

Os portugueses vão oferecer espelhos para serem instalados no palácio de belém.

Anónimo 25.01.2017

Pela primeira vez num ano, disseste alguma coisa de jeito. Nem deves comentar os outros. Já chega o que temos de aturar diariamente. Embora reconheça que, se fosse o Trump a avaliar-te devia ser giro.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub