Política Marcelo deixa a Costa caderno de encargos do povo português

Marcelo deixa a Costa caderno de encargos do povo português

O Presidente diz que os portugueses querem estabilidade política mas não só. Na sessão de cumprimentos de Boas Festas do Governo, Marcelo defendeu que é preciso fazer tudo pela paz na Autoeuropa.
Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa
Lusa
Marta Moitinho Oliveira 21 de dezembro de 2017 às 18:50

O Presidente da República deixou esta quinta-feira uma espécie de lista de vontades do povo português. Estabilidade política, social, paz social na Autoeuropa e prioridade à estabilidade orçamental foi o caderno de encargos apresentado por Marcelo Rebelo de Sousa em nome do povo português. 

O chefe de Estado falava durante a cerimónia de cumprimentos de Boas Festas do Governo ao Presidente da República. Depois de prometer "solidariedade institucional" nas relações entre o Presidente da República e o Governo, "nesta legislatura e na próxima", Marcelo afirmou que a "
grande conquista deste ano é a forma como o povo português percebeu as linhas fundamentais do comportamento colectivo". 

"O povo português deu sinais de gostava da solidariedade institucional" e de que "gosta da estabilidade política", disse Marcelo Rebelo de Sousa, explicando que se referia não só ao caminho da legislatura como também à necessidade de "oposições fortes". 

Nas eleições autárquicas, o PS foi o grande vencedor, reforçando a sua posição no seio da maioria que apoia o Governo no Parlamento e, na oposição, Assunção Cristas afirmou a sua liderança. 

Além disso, Marcelo defendeu que os portugueses perceberam a importância da estabilidade orçamental. "O povo português, na sua sensatez, quer mais [do que a estabilidade política] quer estabilidade financeira". 

"E interiorizou o que não tinha interiorizado há cinco ou 10 anos", explicou, acrescentando que "o povo português interiorizou a prioridade da estabilidade orçamental e de como isso é importante para a criação de emprego e para o crescimento". 

Do caderno de encargos dos portugueses faz parte também a estabilidade social. "O povo gosta de viver em estabilidade social", disse Marcelo, indo directamente para o caso Autoeuropa, sem especificar, no entanto o nome da empresa. 

"Os portugueses percebem que há empresas que, pelo seu poder, pelo emprego que envolvem, pelo emprego de outras empresas que com eleas colaboram, pelo prestígio internacional, são empresas em que é importante que haja paz social. São empresa em que é importante que se faça tudo por essa paz social. Que não se corra o risco de aventuras que podem afectar o clima que os portugueses consideram que é bom para Portugal."

Esta não é a primeira vez que Marcelo se refere à Autoeuropa - já o tinha feito quando os trabalhadores estiveram em greve. Até porque, lembrou Marcelo, os portugueses olham à volta para outros países e vêem "o custo e risco dessas imponderabilidades". 

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 6 horas

Marcelo já se definiu há muito tempo. O que ele quer são votos, likes e dar palmadinhas nas costas. O excedentarismo dá-lhe votos, as pensões de reforma que dão tudo hoje e nada amanhã dão-lhe likes e as palmadinhas nas costas dos pobrezinhos e esquecidos é o que melhor sabe fazer sem contudo solucionar de modo inteligente, justo e sustentável o que quer que seja.

Anónimo Há 6 horas

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal: "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/ Os norte americanos podem dizer: "Obrigado Obama", do mesmo modo que os portugueses podem dizer: "Obrigado troika".

Anónimo Há 6 horas

As Holandas, Finlândias, Irlandas, Taiwans, Israeis, Noruegas e Dinamarcas deste mundo andam a criar as próximas empresas líderes mundiais nos sectores da IA, robótica, renováveis, nanotecnologia... e pelo meio ainda têm tempo e recursos para emitirem dívida com juro negativo e pensarem em Fundos Soberanos, mostrando assim o seu respeito e cuidado para com todas as gerações e classes de cidadãos.

pub