Política Marcelo: Descida da TSU era um "sinal para o investimento"

Marcelo: Descida da TSU era um "sinal para o investimento"

Presidente da República ainda tem esperança que seja possível alcançar um acordo para compensar as empresas pelo aumento do salário mínimo.
Marcelo: Descida da TSU era um "sinal para o investimento"
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 22 de janeiro de 2017 às 21:15

O Presidente da República defendeu o conteúdo do acordo de concertação social assinado entre o Governo e os parceiros sociais, considerando que a descida da TSU para compensar o aumento do salário mínimo era importante pois daria um "sinal para o investimento" e para o crescimento da economia.


Em entrevista à SIC, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou de defendeu publicamente as medidas do acordo de concertação social e tem esperança que este ainda venha a ser implementado, apesar dos anunciados votos contra do BE, PCP e PSD. Vamos esperar para ver o processo até ao fim. Ainda não houve apreciação parlamentar do diploma. E está por provar que o efeito de salvaguarda não pode ser atingido pela via do diploma, ou por outra via", afirmou.

A polémica em torno da TSU absorveu a primeira parte da entrevista de Marcelo à SIC, a primeira que concede desde que ganhou as eleições há um ano. O Presidente da República afirmou que sempre defendeu a existência de um acordo, "até mais amplo".   

Mas recusou que tenha havido um falhanço da influência do Presidente da República, já que o anterior conseguiu um acordo de concertação social numa altura mais complicada na sociedade portuguesa. "Não queira comparar com 2012. Em 2012 havia maioria parlamentar" e Passos Coelho tinha o compromisso do memorando da troika, respondeu Marcelo, afirmando que "agora o PSD não tem nenhuma" condicionante. O "PSD é livre de votar como quer, não há memorando da troika".  

Marcelo mantém-se optimista em relação a medidas para compensar as empresas pelo aumento do salário mínimo. "Continuo a creditar que vai ser possível encontrar, em si mesmo, uma preocupação em relação às PME e por outro lado às IPSS e misericórdias", afirmou.




A sua opinião33
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Zé Ferreira 22.01.2017

O Presidente a defender a geringonça!

comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

O "afectos" é muito provavelmente o melhor MINISTRO deste governo!

José Martins De Zinolhos 22.01.2017

Aumento do salário mínimo era feito por decreto e não se passava nada. Marcelo quis TSU e teve TSU. Mas esqueceu-se, tal como Costa de reunir com as forças políticas que têm voto na AR. Agora!... chupa no dedo.

Josefa Martins 22.01.2017

Será que é essa a melhor forma? ??

Duarte Andrade 22.01.2017

A subida do ordenado mínimo também foi, lol... olha que teoria do caraças.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub