Conjuntura Marcelo distancia-se de convite a Teodora para conferência sobre investimento

Marcelo distancia-se de convite a Teodora para conferência sobre investimento

O Presidente da República diz que foi a Gulbenkian que fez os convites para a conferência sobre investimento que decorre esta quarta-feira em Lisboa, mas mostrou-se "muito feliz" com a presença de personalidades com opiniões diferentes.
Marcelo distancia-se de convite a Teodora para conferência sobre investimento
Bruno Simão
Marta Moitinho Oliveira 15 de março de 2017 às 14:01

O Presidente da República disse esta quarta-feira que foi a Fundação Calouste Gulbenkian que fez "livremente" os convites para os oradores da conferência que se realiza durante todo o dia em Lisboa. Marcelo Rebelo de Sousa distancia-se assim da escolha das personalidades que foram chamadas a falar, depois de o Expresso ter noticiado que foi o chefe de Estado - que apadrinha esta conferência - que convidou a presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP).

Questionado pelos jornalistas sobre se o convite a Teodora Cardoso tinha como objectivo apaziguar as relações, o Presidente da República começou por dizer que o facto de ter sido o primeiro-ministro a abrir a conferência esta manhã - para Marcelo ficará o encerramento ao final da tarde - "mostra a sintonia entre o Governo e o Presidente quanto ao investimento".

A Fundação Gulbenkian "convidou livremente" as personalidades para intervir na conferência, afirmou, acrescentado estar "muito feliz com a presença dessas personalidades". Marcelo elogiou a "pluralidade dos pontos de vista".

O chefe de Estado falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Comando Aéreo, em Lisboa. 

Numa entrevista ao Público há cerca de duas semanas, a presidente do CFP admitiu que a redução do défice entre 2015 e 2016 tenha sido "um milagre", colocando dúvidas sobre a sustentabilidade da consolidação.

Em reacção a estas declarações, o chefe de Estado rejeitou essa ideia, defendendo que foi graças aos portugueses que o défice baixou. "Milagre este ano em Portugal só vamos celebrar um que é o de Fátima para os crentes, como é o meu caso, tudo o resto não é milagre", ironizou então Marcelo. Uma resposta que desagradou ao PSD. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.03.2017

Nao gostam dela. É demasiado independente para gostarem dele. Neste país para tem que se ser de um dos partidos , ou entao usar avental ou de outra corporacao qualquer, senao a pessoa esta lixada

comentários mais recentes
pertinaz 15.03.2017

CARREGA TEODORA !!!

Anónimo 15.03.2017

Nao gostam dela. É demasiado independente para gostarem dele. Neste país para tem que se ser de um dos partidos , ou entao usar avental ou de outra corporacao qualquer, senao a pessoa esta lixada

Investidor 15.03.2017

Estamos mesmo todos pouco habituados a ter sáudaveis confrontos de opiniões, a começar pelos jornalistas que noticiam coisas destas como se fosse estranhissimo. A opinião da Teodora é tão válida quanto a do governo e não há problema nenhum com isso. Até podem ser amigos e ter opinião diferente.

pub