Economia Marcelo diz que "ainda não é o momento" de falar sobre furto em Tancos

Marcelo diz que "ainda não é o momento" de falar sobre furto em Tancos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, voltou hoje a escusar-se a comentar o furto de material de guerra nos paióis de Tancos, considerando que este "não é o momento ainda" para se pronunciar sobre o tema.
Marcelo diz que "ainda não é o momento" de falar sobre furto em Tancos
"Eu já disse que no momento em que entendesse adequado, falaria" sobre o furto de material de guerra em Tancos, afirmou este sábado Marcelo Rebelo de Sousa.
Cofina Media
Lusa 01 de julho de 2017 às 18:44

"Eu já disse que no momento em que entendesse adequado, falaria. Não é este o momento adequado por duas razões: primeiro porque estou fora do território português, e não comento fora do território português realidades da vida política portuguesa; em segundo lugar, porque não é o momento ainda para, com base nas informações que vou recebendo, me pronunciar sobre a matéria", disse o Presidente da República, em Bruxelas, sobre o furto de material de guerra nos paióis de Tancos.

 

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que terá oportunidade de comentar o assunto "numa altura adequada", mas sublinhou que a sua presença hoje em Bruxelas visou participar num evento para "promover a imagem da agricultura e dos agricultores portugueses".

 

O Presidente da República visitou este sábado, 1 de Julho, acompanhado da presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, o evento "O Melhor de Portugal", uma mostra de produtos agro-alimentares organizada pelo eurodeputado Nuno Melo e pela Confederação de Agricultores de Portugal (CAP).

 

Perante a insistência dos jornalistas para que abordasse o assunto, enquanto comandante supremo das Forças Armadas, declarou que "há momentos e momentos para o Presidente da República falar dos temas, e quem escolhe os momentos é o Presidente da República".

 

O Exército revelou na sexta-feira que entre o material de guerra furtado na quarta-feira dos Paióis Nacionais de Tancos estão "granadas foguete anticarro", granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, mas não divulgou quantidades.

 

"Para além das granadas de mão ofensivas e das munições de 9 mm, foram também detectadas as faltas de granadas foguete anticarro, granadas de gás lacrimogéneo, explosivos e material diverso de sapadores, como bobines de arame, disparadores e iniciadores", indicou o Exército.

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 01.07.2017

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal. As pessoas mais desatentas ou distraídas deviam ter consciência disto. Cabe a órgãos de comunicação social como o Jornal de Negócios, de forma pedagógica, a facilitação dessa informação verídica e oportuna à luz dos desafios que Portugal e os portugueses enfrentam e dos quais muitos nem se apercebem. Foi lamentável o que aconteceu em Pedrógão Grande e em Tancos por causa do investimento público ter sido cortado pelo governo socialista para o nível mais reduzido desde 1960 para equilibrar contas públicas pressionadas pela patologicamente extensa e criminosamente hiperinflacionada folha salarial e de pensões do Estado. "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/

comentários mais recentes
Ninguém quer voltar a PSD e Cristas 02.07.2017

A inspeção não pode ignorar a possibilidade de se tratar de um acto Político Partidário.Que pode fazer o Sr. Presidente da República ? Sem uma Alternativa Credível, tem de existir uma Alternativa com Capacidade Governativa, uma alternativa Responsável, não pode ser uma cambada de Arruaceiros errespo

Anónimo 01.07.2017

A redução de custos anuais no sector público através do sistema de mobilidade especial ou requalificação dava para ter os paióis vigiados, seguros e protegidos e pagar uma frota de meios aéreos de combate e prevenção de incêndios todos os anos assim como a constituição e manutenção de um bom parque de maquinaria silvícola para limpar zonas problemáticas como a área envolvente daquela recta-crematório da morte. Pedrógão e Tancos não foram uma inevitabilidade! Pedrógão e Tancos são os custos do excedentarismo de carreira sindicalizado.

Anónimo 01.07.2017

Pergunto, qual é o valor do material roubado?
A eleição do Marcelino foi a melhor coisa que podia ter acontecido ao Costa, e o BE e o PCP são a imagem do 1º ministro grego, o antes e o depois e de um dia para a noite de tanto berrar será que ficaram afónicos?

Anónimo 01.07.2017

O dinheiro que se desperdiça com empresas públicas com excesso de custos salariais como a CGD e a CP ou com o excedentarismo no sector público em sentido lato, dava para investir num bom sistema de segurança, alarme e video-vigilância nos paióis e arsenais portugueses assim bem como em meios aéreos adequados ao combate a fogos e em equipamento para limpar uma boa faixa de mata junto às estradas do nosso território.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub