Saúde Marcelo diz que dimensão do caso de legionella foi "muito maior do que o esperado"

Marcelo diz que dimensão do caso de legionella foi "muito maior do que o esperado"

O Chefe de Estado defendeu que a Administração Pública deve ser escrutinada pelos cidadãos e disse esperar, tal como nos casos do roubo de armamento de Tancos, um relatório interno e as conclusões da investigação do Ministério Público.
Marcelo diz que dimensão do caso de legionella foi "muito maior do que o esperado"
Paulo Zacarias Gomes 14 de novembro de 2017 às 16:00
O Presidente da República admitiu que a dimensão do caso de infecções com a bactéria legionella – que fez até ao momento cinco vítimas mortais e 50 infectados – está "muito" acima do que tinha sido previsto e considerou que o ministro da Saúde procedeu bem ao pedir desculpas ao país.

"O ministro da Saúde esteve muito bem quando disse que todas as entidades intervenientes tinham de apresentar um pedido de desculpa, de reconhecer a sua quota-parte de intervenção numa realidade que não funcionou. E cuja dimensão hoje já temos, com alguma distância, a noção de que é muito maior do que tínhamos esperado no início," afirmou Marcelo Rebelo de Sousa esta terça-feira, 14 de Novembro.

"Só lhe fica muito bem tê-lo feito [pedir desculpa]," acrescentou aos jornalistas em declarações transmitidas pela TVI24 no final de uma visita à Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal, em Lisboa, referindo-se às palavras de Adalberto Campos Fernandes, que ontem no Parlamento pediu desculpa em nome do Governo pelo surto de legionella.

O Chefe de Estado aproveitou ainda para reforçar o desejo de apurar as responsabilidades neste caso - que teve o hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, como epicentro da contaminação, tal como já tinha feito na sexta-feira passada, dando uma semana ao Governo para apresentar conclusões do inquérito aberto internamente.

"Quando há, da parte de entidades públicas, alguma coisa que falha, é preciso depois haver relatórios que apurem as responsabilidades. Já tinha tido a mesma posição no caso de Tancos," afirmou, defendendo que tanto a nível interno como por parte do inquérito do Ministério Público acabará por ser feito "o apuramento do que se passou."



A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 6 dias

SR PRESIDENTE,
E OS MORTOS DO FUNCHAL, ESTARÃO ESQUECIDOS?
TAMBEM FORAM MAIS DO QUE SE ESPERAVA.

comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

Qual esperado qual carapuça? Os estúpidos, pela sua ignorância, são incapazes de esperar seja o que for.
Mas, Sr. PR, fique ciente do que lhe digo, isto é só a ponta do iceberg. E o Sr. também deveria saber que a falta de manutenção preventiva em áreas críticas pode ser catastrófica. E, outra coisa também lhe garanto, isto não seria possível numa grande multinacional. Aguardemos!

pertinaz Há 6 dias

TUDO O QUE VEM DESTE DESGOVERNO DA ESCUMALHA DE ESQUERDA É SEMPRE MUITO PIOR DO QUE O ESPERADO...!!!

D Há 6 dias

A esquerda pc/bloco está com a rédea curta e bem domesticada...andam borradinhos, não vá o amigo Costa correr com eles...

Criador de Touros Há 6 dias

Governo da legionella ou da geringonça ? E o presidente ?

ver mais comentários
pub